Angogerman Oeste Ladies Open foi um sucesso e tem garantias para o futuro

Escola Rafael Bordalo Pinheiro

CALDAS DA RAINHA — A primeira edição do Angogerman Oeste Ladies Open ainda agora terminou e já tem garantias para o futuro. Ao longo dos últimos oito dias, o Complexo Municipal de Ténis das Caldas da Rainha acolheu a primeira edição do maior torneio internacional de ténis feminino do país (não só deste ano como desde 2014…) e o sucesso foi tanto que já se fala no que aí vem.

Numa entrevista ao Grande Jornal da Sport TV, ainda o evento estava a entrar na fase decisiva, o diretor da prova e um dos quatro promotores da Capital Events, Nuno Mota, já dava garantias de que o Angogerman Oeste Ladies Open “veio para ficar”.

“Nos próximos quatro anos queremos criar um alicerce de cinco anos de consolidação da prova. Pouco a pouco vamos acrescentando algumas mais valias, como adicionar hospitalidade e eventualmente subir o prize money, e tomar decisões sobre o que vamos fazer daqui para a frente”, afirmou.

Determinado a dar “passos seguros para que a prova possa estabilizar e aos poucos ganhar outras dimensões” depois de um primeiro ano de verdadeiro sucesso que contou com a ex-top-15 mundial (e campeã do Estoril Open em 2012) Kaia Kanepi como a principal cabeça de cartaz, o diretor do torneio destacou que “um dos grandes objetivos é ajudar a que as jogadoras portuguesas tenham este estímulo e a oportunidade de darem mais um passo em frente e acreditarem que são capazes de o fazer.”

Discurso idêntico teve Vasco Costa, Presidente da Federação Portuguesa de Ténis, que na cerimónia de entrega dos troféus se despediu dos presentes… A pensar no futuro.

“Quero felicitar a organização. É o melhor e maior torneio internacional feminino que se realiza em Portugal e quero felicitar toda a capacidade organizativa e toda a equipa que esteve a trabalhar no torneio ao longo de toda a semana. (…) O torneio surge no seguimento daquilo que é o nosso ténis feminino, uma aposta no futuro. Já tivemos três jogadoras portuguesas a disputar o quadro principal e acredito que no futuro vamos ter muitas mais. Muito obrigado a todos e até para o ano”, sublinhou o responsável máximo da FPT.

Com um total de 60.000 dólares distribuídos pelas jogadoras, o Angogerman Oeste Ladies Open tornou-se, logo à primeira edição, no torneio internacional feminino mais importante dos últimos cinco anos a acontecer em Portugal e não só: foi mesmo o mais importante de todo o calendário logo a seguir ao Millennium Estoril Open.

Total
9
Shares
Total
9
Share