Desde 2003 que Roger Federer não sofria uma derrota tão rápida

Foi a grande surpresa do dia, talvez até da semana e, quem sabe, de toda a série de torneios que antecede o US Open: Roger Federer foi derrotado na terceira eliminatória do ATP Masters 1000 de Cincinnati, um resultado que não só o enviou mais cedo para Nova Iorque como entrou para a história pelas piores razões.

Sete vezes campeão no Ohio, o tenista helvético de 38 anos perdeu por 6-3 e 6-4 para Andrey Rublev, tenista russo que já tinha passado por Stan Wawrinka na ronda anterior e que até tinha começado o torneio de forma insólita, uma vez que se esquecera de se inscrever na fase de qualificação e só conseguiu entrar já como alternate.

62 minutos bastaram para que o tenista russo alinhasse a surpresa, que se traduz na derrota mais rápida sofrida por Roger Federer desde 2003, quando perdeu na primeira ronda do torneio de Sydney para Franco Squillari, por 6-2 e 6-3 em 54 minutos.

A discussão do encontro nunca esteve em causa — Rublev fez dois breaks nos dois primeiros jogos de serviço de Federer e esteve verdadeiramente imparável, ao passo que o número três do mundo realizou a pior prestação da temporada — e desta forma Roger Federer chegará ao US Open com apenas dois encontros disputados em piso rápido desde que perdeu a épica, histórica e inesquecível final de Wimbledon, para Novak Djokovic.

A preparação para o quarto e último torneio do Grand Slam da temporada, no entanto, não o preocupa. “Independentemente do resultado desta semana estou feliz por ter vindo aqui. Treinei bastante e bem ao longo da semana e naquele curto período que tivemos desde Wimbledon, por isso talvez até tire uns dias de folga. Depois vou treinar e fazer exatamente o que tenho de fazer para estar pronto para o US Open. É bastante simples mas tenho de trabalhar bem”, garantiu na conferência de imprensa que se seguiu ao duelo.

Total
2
Shares
Total
2
Share