Cidade da Maia é a nova paragem do ATP Challenger Tour em Portugal

Complexo-de-Ténis-da-Maia

Depois de Braga e Lisboa, o ATP Challenger Tour vai fazer uma terceira e última paragem em solo português na temporada de 2019: a cidade da Maia vai voltar a organizar um torneio do circuito secundário.

O assunto não é propriamente novo, uma vez que o regresso do ténis profissional à cidade nortenha já a vinha a ser falado “nos bastidores” há vários meses. No entanto, só este sábado surgiu a confirmação pública por parte da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP), que divulgou o calendário de provas completo até ao final da temporada.

O torneio acontecerá entre os dias 18 e 24 de novembro (a mesma semana da primeira edição das Davis Cup Finals, em Madrid) e será jogado em terra batida indoor no Complexo Municipal de Ténis da Maia. Trata-se de uma das melhores infraestruturas do país e até lá sofrerá trabalhos de remodelação para se resolverem definitivamente alguns problemas nas coberturas já existentes e se transformarem os três campos semi-cobertos noutros três totalmente cobertos.

À semelhança dos eventos que aconteceram em Braga (de 6 a 12 de maio) e em Lisboa (13 a 19 de maio), também o torneio da cidade da Maia será um Challenger 80 com 46.600 euros em prémios monetários.

Não descurando os restantes eventos internacionais que acontecem de Norte a Sul do país ao longo do ano, e que tanta importância têm por serem os que mais oportunidades de jogo dão à grande maioria dos jogadores portugueses, o Challenger da Maia será, desta forma, o quinto torneio internacional de “grande calibre” a acontecer em Portugal em 2019: aos já referidos Challengers juntam-se ainda o Millennium Estoril Open (que este ano celebrou a quinta edição), também exlusivo do circuito masculino, e o Oeste Ladies Open — um torneio de 60.000 dólares que está marcado para a semana de 23 a 29 de setembro nas Caldas da Rainha e que será a maior prova feminina desde a extinção do Portugal Open, em 2014.

Um regresso há muito aguardado

A confirmação de que a cidade da Maia vai voltar a receber um torneio do ATP Challenger Tour significa um retomar da escrita da história da cidade no que aos circuitos internacionais de ténis diz respeito.

O município pertencente ao Distrito do Porto tem uma importante tradição na organização de eventos de alto calibre, tendo inclusive servido de palco a uma prova do ATP Tour: foi em 1996 e contou com um total de 400.000 dólares em prémios monetários, seguindo-se a organização de torneios do ATP Challenger Tour — na altura denominado ATP Challenger Series — nos anos de 1999 (50.000 dólares), 2000 (125.000), 2001 (50.000) e 2002 (50.000).

Agora, 17 anos depois, a história continua.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."