Portugal termina participação histórica no Mundial de Veteranos por Equipas a meio da tabela

Jamor, OEIRAS — Seis longos dias depois de se ter iniciado, chegou ao fim a prestação de Portugal no Campeonato do Mundo de Veteranos por Equipas. Organizado pela primeira vez em solo nacional, o torneio bateu recordes no que diz respeito ao número de inscritos, dividiu-se por três clubes em três conselhos diferentes e foi histórico para as cores nacionais.

Pela primeira vez na sua história, a Federação Portuguesa de Ténis promoveu a participação de equipas em todos os escalões e os selecionados estiveram à altura, conseguindo posicionar-se a meio de quase todas as tabelas finais.

Em declarações ao RaquetcVasco Costa fez um balanço “bastante positivo” de “uma participação que foi ao encontro das nossas expetativas, que eram ficarmos mais ou menos a meio da tabela. Obviamente que houve algum nervosismo por ser a primeira vez que alguns jogadores são convocados para as seleções nacionais de veteranos mas foi uma semana bastante positiva.”

O Presidente da Federação Portuguesa de Ténis disse ainda ser “bastante gratificante receber elogios de vários jogadores de vários países” durante uma semana que se distribuiu por três dos maiores e mais importantes palcos do ténis em Portugal — o Complexo Desportivo do Jamor, em Oeiras; o Clube Internacional de Foot-Ball, em Lisboa; e o Clube de Ténis do Estoril, em Cascais.

“Acho que Portugal e a Federação Portuguesa de Ténis já demonstraram que estamos preparados para organizar grandes eventos e já daqui a um mês segue-se mais um grande desafio, uma vez que vamos organizar a Assembleia Geral da Federação Internacional de Ténis (ITF)” — onde será eleito o Presidente e a restante composição do Board da Direção.

Masculinos +50 | Fred Perry Cup — 14.º lugar entre 25 países

No último dia de competição, a seleção portuguesa lutou muito mas não conseguiu se feliz contra a Grã-Bretanha no Clube Internacional de Foot-Ball (CIF), em Lisboa: Nuno Mota perdeu por 6-2 e 6-3 para Paul Scullard, Nuno Delfino derrotou Andrew Philipps por 6-2, 4-6 e 6-0 e no par Vasco Graça e Pedro Martins cederam por 6-4 e 6-2 para Daniel Hall e Linden Hardisty.

Em declarações à assessoria de imprensa do torneio, o capitão de equipa Nuno Delfino referiu que a seleção portuguesa “atingiu os objetivos a que se tinha proposto, que era não ficar na cauda da tabela e dignificar bastante Portugal.”

Apesar de reconhecer um ligeiro “amargo de boca pela eliminatória com a Suíça, porque podíamos perfeitamente ter lutado pelo nono ao décimo segundo lugar”, o líder da equipa mostrou-se “muito orgulhoso de todos, sei que demos todos o máximo que podíamos”.

Numa competição que reuniu em Portugal “vários jogadores do top 100 e muitos outros que já lá estiveram”, Nuno Delfino deixou ainda uma promessa para o futuro. “Neste momento ainda não estamos preparados para atingir o patamar de seleções maiores, com uma grande história, mas isto é como tudo na vida, com um bocadinho ali e um bocadinho acolá vamos aprendendo com várias experiências de vida e começamos a atingir etapas mais elevadas.”

Femininos +50 | Maria Esther Bueno Cup — 16.º lugar entre 20 países

No Clube de Ténis do Estoril, em Cascais, Portugal perdeu por 2-1 para a Dinamarca: Paula Silvestre até começou por derrotar Charlotte Gralling, por 6-3 e 6-3, mas depois Isabel Pinto perdeu por 6-1 e 6-2 para Janne Theilga e, no par, ao lado de Deolinda Duarte, cedeu por 6-1 e 6-4 para Janne Theilga e Anette Nielsen.

Masculinos +55 | Austria Cup — 12.º lugar entre 26 países

No Complexo Desportivo do Jamor, em Oeiras, a seleção portuguesa conseguiu despedir-se do torneio com uma vitória perfeita: 3-0 contra a Roménia.

João Freitas começou por bater Ovidiu Petrescu, por 6-1 e 6-4, o capitão Paulo Travassos confirmou o triunfo ao superar Octavian Mustareata por 7-6(3) e 6-1 e depois a seleção visitante abdicou da disputa do derradeiro encontro, dilatando assim a vantagem lusitana.

Como balanço final da participação, à assessoria de imprensa do evento, Paulo Travassos classificou esta como “uma semana memorável” e assumiu que “correu tudo muito bem à exceção das duas derrotas que tivemos, mas mesmo assim foi duro e muito giro.”

O capitão de equipa aproveitou para “deixar uma palavra de apreço e parabéns à Federação Portuguesa de Ténis pela organização deste evento que traz a Portugal os melhores veteranos do mundo e que nos obrigou a superar-nos e a termos esta experiência incrível que é jogar o mundial por equipas.”

Femininos +55 | Maureen Connolly Cup — 10.º lugar entre 19 países

Uma derrota na derradeira jornada ditou a 10.ª posição para a equipa de Portugal, que no Estádio Nacional foi superada (3-0) pela mais forte África do Sul: Isabel Costa perdeu por 7-5 e 6-4 para Anmarie Lotz, Luísa Gouveia por 6-2 e 6-0 para Ronel Louw e, num par muito equilibrado em que chegaram a ter um match point, Conceição Vinha e Paula Zoio cederam por 4-6, 6-3 e 11-9 para Karin Deltenre e Debra Hyde.

À assessoria de imprensa do torneio, a capitão portuguesa Conceição Vinha destacou que “a África do Sul tem duas jogadoras excecionais e só quem não viu é que poderia achar que a eliminatória podia estar ao nosso alcance.”

No entanto, fez um balanço positivo da primeira participação portuguesa na competição feminina de +55: “Não é desagradável [terminar no 10.º lugar]. Também tivemos uma pontinha de sorte, beneficiámos um bocadinho quando tivemos um bye, mas podemos sentir-nos orgulhosas do que alcançámos e aproveito a oportunidade para agradecer à minha equipa. Primeiro por terem aceite o convite e estarem comigo, pela dedicação e o empenho e a experiência que me proporcionaram esta semana.”

Masculinos +60 | Von Cramm Cup — 17.º lugar entre 26 países

A equipa masculina de +60 foi a responsável pelo outro triunfo do dia, ao superar, no Complexo Desportivo do Jamor, o conjunto do Canadá por 2-1: o capitão Vítor Pereira começou por derrotar David Fairbotham (6-2 e 6-0), depois José Alberto Pereira perdeu por 6-3 e 6-1 para Cary Wilson e, já no par, novamente Vítor Pereira ao lado de Manuel de Sousa aplicaram 6-2 e 6-1 a Patrice Rousso e Richard Viau.

Femininos +60 | Alice Marble Cup — 10.º lugar entre 17 países

Foi o único conjunto nacional a já não ir a jogo no último dia, mas também nesta categoria Portugal conseguiu terminar numa classificação afastada dos últimos lugares.

Agora, o foco passa para o Campeonato do Mundo de Veteranos mas individual: de 10 a 17 de agosto, o Complexo Desportivo do Jamor será o palco principal da competição graças aos seus 24 courts de terra batida, enquanto o Clube Internacional de Foot-Ball servirá, nos primeiros dias, de palco secundário graças aos nove courts que disponibiliza para o evento.

Total
14
Shares
Total
14
Share