Rita Pinto e Sara Lança eliminadas na primeira ronda do Palmela Open

PALMELA — Quarta-feira foi dia de derrotas para três jogadoras portuguesas: depois de Inês Oliveira, que perdeu para a compatriota Inês Murta, também Rita Pinto e Sara Lança se despediram da segunda edição do Palmela Open na eliminatória inaugural do quadro principal de singulares.

Depois de ultrapassar os dois encontros da fase de qualificação, Sara Lança não conseguiu resistir à sexta cabeça de série Guiomar Maristany Zuleta de Reales — número 375 do ranking WTA — e apesar de ter oferecido resistência perdeu pelos parciais de 6-3 e 6-3 em 1h38.

Mais longo foi o encontro de Rita Pinto, que respondeu ao wild card que lhe foi entregue pela organização do torneio com uma boa prestação: duelo durante 2h38 com a ucraniana Anastasiya Poplavska, que depois de muito lutar conseguiu inverter o marcador e vencer por 5-7, 6-4 e 6-2.

Com estes resultados, Inês Murta e Francisca Jorge passam a ser as únicas representantes portuguesas ainda em prova no Palmela Open 2019: a algarvia defronta a sexta cabeça de série Eva Guerrero Alvares (que esta quarta-feira venceu Sathwika Sama, por 6-2 e 6-3) e a vimaranense mede forças com Yuliya Hatouka, bielorrussa que é a quinta pré-designada e superou Valentina Ivanov, da Nova Zelândia, pelos parciais de 6-4 e 6-4.

Ambos os encontros serão transmitidos em direto no Facebook do Raquetc, onde é possível acompanhar toda a ação que se desenrola no Court TTK.

[WC] Rita Pinto vs. [Q] Anastasiya Poplavska (UCR), 1R #PalmelaOpen:

Publicado por Raquetc em Quarta-feira, 17 de julho de 2019

[Q] Sara Lança (POR) vs. [6] Guiomar de Reales (ESP), 1R #PalmelaOpen:

Publicado por Raquetc em Quarta-feira, 17 de julho de 2019

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."