Uma semana depois, Tiago Cação perde mais um braço de ferro com um cabeça de série — agora no CIF

Fotografia: Beatriz Ruivo/Lisboa Belém Open

LISBOA — Uma semana depois de ter dado muito trabalho a um dos candidatos ao título no Braga Open, Tiago Cação voltou a apresentar bons argumentos contra um dos cabeças de série antes de ser derrotado na segunda ronda do quadro principal de singulares, desta vez no Lisboa Belém Open.

À procura do melhor resultado da carreira em torneios Challenger — tinha somado a primeira vitória de sempre na última semana —, o jogador do Centro de Alto Rendimento deu muito trabalho ao espanhol Enrique Lopez Perez, que teve de trabalhar para vencer por 7-6(5) e 6-4 quando o relógio marcava 1h43 de encontro no Estádio CIF.

Num primeiro set pautado pelo equilíbrio, Cação conseguiu resistir às investidas do espanhol, salvando os quatro break points que enfrentou para adiar a decisão para o tiebreak. Pautado por muitos mini-breaks, o “tira-teimas” sorriu a Perez, que a partir daí ganhou confiança e começou a fazer a diferença, aproveitando a falta de experiência do português a este nível.

A derrota não dita, no entanto, o adeus de Tiago Cação ao Lisboa Belém Open: o jogador natural de Peniche ainda tem por disputar a primeira ronda de pares, um duelo que será 100% português — joga com o colega de treinos Luís Faria contra Gonçalo Falcão e outro jogador do Centro de Alto Rendimento, Francisco Cabral.

Quanto à representação portuguesa no quadro principal de singulares, fica agora a cargo de quatro jogadores: Gastão Elias (que joga o último encontro desta terça-feira), Frederico Silva, João Domingues e Pedro Sousa, que só disputam a segunda eliminatória na quarta-feira.

Última atualização às 15h45.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."