Uma já está: João Domingues chega às meias-finais do Braga Open e enfrenta jornada dupla

Fotografia: Margarida Moura/Federação Portuguesa de Ténis

BRAGA – Com o regresso ao court central do Clube de Ténis de Braga voltaram, também, as boas exibições. E assim João Domingues inscreveu o nome nas meias-finais de singulares do Braga Open, que tal como os quartos de final serão disputadas ainda este sábado.

O tenista luso de 25 anos derrotou o eslovaco Norbert Gombos (número 208 que em 2017 chegou ao top 80) num duelo discutido em três partidas, com os parciais finais de 6-3, 2-6 e 6-2.

Depois de uma entrada praticamente perfeita, que o viu quebrar por três vezes o serviço do adversário para se adiantar no marcador, João Domingues perdeu o foco. O tenista português não conseguiu manter a concentração e depois de um jogo em que teve break points baixou abruptamente o nível e cedeu o serviço, não conseguindo fazer frente ao jogador de 1,96m.

Chamado a uma terceira partida pelo segundo dia consecutivo, o oliveirense recompôs-se, quebrou o “saque” à primeira oportunidade e com algum relaxamento partiu para uma importante vitória, assinada ao cabo de 123 minutos de encontro.

Esta vitória — a terceira no evento tenístico mais importante do Norte do país — permite a João Domingues reservar um lugar nas meias-finais. O jogador natural de Oliveira de Azeméis já sabe que terá como próximo adversário o espanhol Bernabé Zapata Miralles, que se tornou no primeiro vencedor (6-2 e 6-4 a Dominik Koepfer) de uma jornada com uma ordem de encontros no mínimo caricata, uma vez que partirá para o encontro (disputado ainda este sábado) com mais três horas de descanso.

Última atualização às 15h14.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."