Federer salva dois match points e supera montanha russa com Monfils

Não foi fácil e a dada altura assumiu contornos de montanha russa, mas Roger Federer conseguiu anular dois match points para derrotar Gael Monfils, por 6-0, 4-6 e 7-6(3), e inscrever o nome nos quartos de final de singulares do Masters 1000 de Madrid.

Pela segunda vez em dois encontros, o número três do mundo viu-se com um jogador francês pela frente e tal como contra Richard Gasquet também perante Gael Monfils entrou com tudo. De tal forma, aliás, que no encontro desta quinta-feira bastaram 18 minutos para Roger Federer se adiantar expressivamente no marcador, ao vencer o primeiro set por 6-0.

O encontro chegou a parecer “morto”, mas o gaulês — que foi um dos cabeças de cartaz da edição do Millennium Estoril Open que terminou no domingo — reagiu rapidamente e com um break a abrir mostrou que estava em condições de lutar pelo resultado. De tal forma que, mesmo enfrentando um break point ao 4-4, conseguiu segurar o serviço e equilibrar o encontro logo a seguir.

Cada vez mais dentro do campo, Monfils recuperou algum do à vontade que na véspera lhe permitiu dar a volta — e alinhar uma das melhores pancadas de que há memória (e imagens) — e continuou a criar dificuldades ao helvético, que depressa se viu a perder por um break. Primeiro 3-0, depois 4-1, o desenrolar do resultado parecia indicar uma recuperação notável para o número 18 do mundo, mas dois match points não se revelaram suficientes: Federer não só segurou o serviço como entrou firme no tie-break e, mesmo sem a pancada de esquerda batida afinada (com o slice deu espetáculo ao passar por duas vezes pelo adversário apontando à linha), conseguiu sobreviver.

Esta é a primeira vez que Roger Federer chega aos quartos de final de singulares de um torneio disputado em terra batida desde Roland Garros 2015, há praticamente quatro anos.

Agora, segue-se um verdadeiro desafio: o reencontro com Dominic Thiem, recém campeão do ATP 500 de Barcelona (onde derrotou Rafael Nadal) que este ano derrotou o helvético na final que lhe deu o maior título da carreira — foi no ATP Masters 1000 de Indian Wells, em piso rápido.

Atualizado às 17h22.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."