¡Una Más! David Ferrer adia final da carreira com uma vitória cheia de garra em Madrid

O Mutua Madrid Open foi o palco escolhido por David Ferrer para colocar um ponto final na longa e bem sucedida carreira de tenista profissional. Por isso, esta terça-feira, e aos 37 anos, o tenista espanhol disputou aquele que podia ter sido o último encontro da carreira — mas ainda não foi desta.

De volta ao court Manolo Santana — a “pista” mais importante da Caja Mágica, onde se joga este torneio — dias depois de ter sido homenageado por um grande grupo de colegas de profissão, e a disputar o 1.110.º encontro da carreira profissional, David Ferrer deu um último ar da sua graça: venceu o compatriota Roberto Bautista Agut, por esta altura bem mais rodado e preparado do que ele, depois de uma longa e entusiasmante batalha, por 6-4, 4-6 e 6-4.

A vitória desta terça-feira foi a 561.ª da carreira em encontros ao mais alto nível — isto é, no circuito ATP, torneios do Grand Slam, Jogos Olímpicos e Taça Davis —, e é preciso recuar à temporada de 2002 para chegar ao encontro de estreia, que aconteceu… Em Portugal.

Foi a 8 de abril de 2002, no Jamor, que depois de ultrapassar a fase de qualificação David Ferrer disputou, no Estoril Open, o primeiro encontro da carreira em quadros principais de torneios ATP. O valenciano acabou derrotado por Marat Safin, mas só ao fim de 1h57 e de três parciais (6-4, 2-6 e 6-2), naquele que foi o início de uma aventura que agora, 17 anos mais tarde, continua viva.

Se o suspiro desta terça-feira terá ou não sido o último, só mais tarde se saberá. Para já, está na segunda ronda do maior torneio organizado na Península Ibérica e o próximo adversário é um que até já derrotou este ano: nada mais, nada menos do que o número 4 do mundo Alexander Zverev, que defende o título de campeão.

Atualizado às 17h57.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."