Gastão Elias surpreendido na primeira ronda do Braga Open

BRAGA – Começou e terminou esta terça-feira a participação de Gastão Elias no quadro principal de singulares do Braga Open, o maior torneio de ténis organizado no Norte do país (é da categoria Challenger ATP).

Um ano depois de ter chegado às meias-finais — das quais acabou por ter de desistir devido a uma lesão no ombro que acabou por perturbar o resto da temporada —, o número cinco nacional (307.º ATP) entrou bem mas não conseguiu ir até ao fim e acabou por sofrer a reviravolta: 1-6, 6-2 e 6-1 para Orlando Luz.

O tenista brasileiro vinha de uma semana quase perfeita em Tabarka, na Tunísia (foi finalista em singulares e campeão em pares), mas entrou muito mal no jogo. Sem encontrar resistência da parte do adversário — que nos tempos de júnior chegou ao primeiro lugar do ranking mundial —, Gastão Elias parecia ter a tarefa controlada, mas no segundo set a situação inverteu-se por completo e foi o português quem deixou de apresentar soluções.

Orlando Luz, que este ano já tinha estado em Portugal a disputar torneios ITF mas sem resultados merecedores de destaque, marca assim encontro com Kimmer Coppejans, o belga que defende o estatuto de sétimo cabeça de série.

Quanto a Gastão Elias, vai perder os 29 pontos relativos às meias-finais que disputou em 2018, perda que deverá significar uma descida de quase 30 lugares no ranking, para a 335.ª posição.

No entanto, o português de 28 nos tem “caminho aberto” para somar pontos em praticamente todas as semanas que restam da temporada, uma vez que a partir desta fase do ano, em 2018, só venceu uma ronda no Challenger de Santo Domingo (já em outubro)

Atualizado às 13h30.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."