Frederico Silva: “Estou muito contente por estar em competição novamente e ter uma boa vitória”

Frederico-Silva

BRAGA – Um mês depois, Frederico Silva voltou a competir e fê-lo da melhor forma possível: esteve menos de uma hora em court até carimbar o acesso à segunda ronda do quadro principal de singulares do Braga Open, o único torneio Challenger a acontecer no Norte do país.

O tenista caldense não jogava oficialmente desde que ultrapassou a fase de qualificação no Challenger organizado por Patrick Mouratoglou, há quatro semanas, e por isso foi com satisfação que falou do regresso. “Estou muito contente por estar a jogar aqui em Braga. Tem sido um período um pouco atribulado, com lesões — pelo meio teve de resolver duas hérnias inguinais — e por isso não tem sido muito fácil portanto estou muito contente.”

O adversário inicial de Frederico Silva era Christian Harrison, mas o norte-americano desistiu e o seu lugar foi ocupado pelo qualifier Daniel Batista — que jogou pela primeira vez o quadro principal de um Challenger — e o encontro só se disputou esta terça-feira. O adiamento da primeira ronda acabou por ser bom para o caldense, que teve “mais algum tempo para me habituar às condições e sentir-me mais confortável em campo. Agora é preparar-me da melhor forma para o próximo jogo e ir recuperando a forma para melhorar o meu nível, ganhar ritmo competitivo e ter bons resultados.”

E agora sim, o pupilo de Pedro Felner vai mesmo medir forças com um tenista dos EUA: Bjorn Fratangelo, que atualmente é o 140.º do ranking ATP (e por isso o primeiro cabeça de série) e em 2011 chegou ao segundo lugar do ranking de juniores, ficou isento da primeira eliminatória e faz antever que se irá tratar de “um encontro difícil” no qual o número seis nacional reconhece que “vou ter de dar o meu melhor e fazer um jogo muito bom para ganhar.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."