João Sousa ‘esbarra’ no gigante Kevin Anderson e está fora do Miami Open

Era uma verdadeira montanha aquela que João Sousa teria de escalar para chegar pela segunda vez na carreira aos oitavos de final do Miami Open e o português acabou mesmo por não a conseguir ultrapassar, ficando assim pela terceira ronda do segundo Masters da temporada.

Com o objetivo de igualar o resultado alcançado no ano passado neste mesmo torneio, mas num local diferente, o melhor português de todos os tempos deu por encerrada a excelente campanha no torneio norte-americano, ficando assim a uma vitória de repetir o resultado de 2018, o melhor da carreira em torneios de piso rápido desta categoria.

O adversário responsável pelo afastamento do vimaranense foi o gigante de 2m03 Kevin Anderson. A defrontar pela segunda vez na carreira o sul-africano depois da vitória em Nice em 2016, João Sousa não conseguiu repetir essa façanha, acabando derrotado por 6-4 e 7-6(6) depois de dispor dois set points (um a 5-4 e outro no tie-break, este último no seu serviço).

As condições rápidas da prova que se disputa no complexo do Hard Rock Stadium fizeram com que as principais armas do número 7 mundial sobressaíssem: o forte serviço e a direita. Este fator tornou a tarefa do português muito difícil e nesta segunda-feira, impossível de ultrapassar por parte do jogador de 29 anos, que ainda assim se despede da prova de singulares com saldo positivo.

Agora é tempo de focar nos pares e depois seguir para Marrocos

Se a tarefa de singulares era complicada, não é descabido afirmar que a de pares também não fica atrás. O pupilo de Frederico Marques volta ao court por volta das 22h30, para ao lado de Guido Pella enfrentar os primeiros cabeças de série Marcelo Melo & Lucasz Kubot.

Quando chegar ao fim a prestação na competição de equipas, João Sousa estará de regresso à Europa, rumando de seguida para o continente africano para jogar o primeiro torneio de preparação para Roland Garros, em Marraquexe.

Francisco Semedo
Licenciado em Turismo e a tirar Mestrado em Ciências da Comunicação, desde cedo se interessou pelo ténis. Começou aos 9 e desde então tem um olhar atento e constante de tudo o que se passa naquela que considera ser a melhor modalidade a todos os níveis.