Frederico Silva já está recuperado e vai voltar à competição esta semana

Sem competir desde o final de novembro devido a duas hérnias inguinais, Frederico Silva estará de regresso à competição na próxima semana após vários meses de tratamento e respetiva recuperação.

O tenista luso de 23 anos falou ao Raquetc sobre todo esse processo, de como surgiu a lesão e da operação a que foi sujeito para poder regressar ao mais alto nível sem qualquer problema físico a condicioná-lo.

“Fui operado a duas hérnias inguinais no final do mês de janeiro. A lesão surgiu com o esforço e sobrecarga. As dores apareceram a primeira vez em junho ou julho, mas não eram fortes e eram facilmente controláveis”, comentou o pupilo de Pedro Felner, que afirmou que a partir deste momento tudo acabou por piorar, até ao ponto de não se sentir confortável dentro de court.

“Em setembro e outubro, quando estava a jogar na China, as queixas pioraram mas eu estava num bom momento de forma e, como com tratamentos continuava a conseguir competir, decidimos terminar a época e depois tratar da lesão”, prosseguiu sobre o desenvolvimento da hérnia.

No entanto, descobrir o motivo do desconforto não foi fácil, visto que os exames realizados se demonstravam inconclusivos e os tratamentos feitos não melhoravam a sua condição física. Por fim, quando finalmente a lesão foi diagnosticada, revelou-se que não havia uma, mas sim duas hérnias inguinais, o que o obrigou a ir para a mesa das operações.

“O diagnóstico não estava a ser fácil de fazer porque nos exames que ia fazendo não aparecia nada de irregular. Tentámos fisioterapia, as queixas não melhoraram, voltámos a fazer exames e desta vez o relatório foi mais conclusivo e foi-me diagnosticada hérnia inguinal de um dos lados e início da mesma coisa no outro lado… daí termos decidido fazer a cirurgia bilareral”, disse o número 335 ATP e 22.º ITF.

Feita a cirurgia, que acabou por correr da melhor forma, foi tempo de iniciar o processo de recuperação e de voltar a pegar nas raquetes. “Depois da cirurgia estive 10 dias sem poder fazer nada e depois disso comecei a fazer fisioterapia e mais tarde a reintegrar o treino progressivamente”, afirmou o tenista natural das Caldas da Rainha.

Ultrapassado todo este difícil e demorado processo, é tempo de competir. A dois dias de completar 24 anos, o português vai jogar o Challenger de Lille depois de uma semana a treinar finalmente sem limitações. Todo este cenário, é motivo de satisfação para Frederico Silva que pode assim dar seguimento à ascensão no ranking que vinha fazendo nos últimos meses.

“Neste momento estou em Lille e vou jogar o Challenger aqui esta semana. A semana passada consegui treinar praticamente a 100%, sempre tendo em atenção a gestão da carga. Estou contente por ter vindo a um torneio passado tanto tempo, mesmo que a minha forma física ainda não seja a melhor. Nos treinos tenho estado a sentir-me melhor e agora preciso de voltar a apanhar o ritmo competitivo”, concluiu o caldense que deverá ficar a saber nas próximas horas contra quem iniciará a prova gaulesa.

Francisco Semedo
Licenciado em Turismo e a tirar Mestrado em Ciências da Comunicação, desde cedo se interessou pelo ténis. Começou aos 9 e desde então tem um olhar atento e constante de tudo o que se passa naquela que considera ser a melhor modalidade a todos os níveis.