Fed Cup. Neuza Silva: “Estamos focados e preparados para deixar tudo em campo”

É já esta quarta-feira que a seleção portuguesa dá início à participação no Grupo II da Zona Europa/África da Fed Cup. Depois de sete anos consecutivos na divisão superior, Portugal apresenta-se no Luxemburgo com uma equipa em renovação, a pensar no futuro, e com o objetivo principal de garantir a manutenção.

Em declarações ao Raquetc, a capitã Neuza Silva contou que depois de “um primeiro treino de adaptação”, as jogadoras “já estão confortáveis com o piso. Mesmo treinando em indoor em Lisboa as condições são diferentes mas o complexo é acolhedor e simpático.”

A estreia do conjunto luso acontece já na quarta-feira (às 16h locais, menos uma em Portugal) frente a Israel, um dos países que também faz parte da Pool B e que é descrito pela selecionadora nacional como “uma equipa que também está em mudança” e que não conta com as suas melhores jogadoras — Julia Glushko (135.ª do mundo), Deniz Khazaniuk (243.ª) e Vlada Ekshibarova (816.ª), as únicas com ranking WTA, ficaram de fora das opções.

Por isso, e ao mesmo tempo que garante que a equipa portuguesa está “focada e preparada para deixar tudo em campo”, Neuza Silva espera “encontros equilibrados e jogos difíceis, com muita luta”.

A seleção que ficar em quarto lugar da Pool B é automaticamente despromovida ao Grupo III em 2020. Já a terceira posição, permite lutar pela manutenção com a terceira qualificada da Pool A, enquanto os dois primeiros lugares dão acesso ao play-off de qualificação para o Grupo I.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."