Petra Kvitova: “É a primeira meia-final da minha segunda carreira”

Fotografia: Australian Open

Há sensivelmente três anos, Petra Kvitova estava em casa a lidar com uma lesão na mão que lhe colocava a carreira em risco. Hoje, a tenista checa está de volta às meias-finais de um Grand Slam, depois de ter derrotado Ashleigh Barty por 6-1 e 6-4.

Nas primeiras reações ao triunfo, Kvitova não escondeu que se sentiu emocionada pelo momento. “Foi um misto de emoções por tudo aquilo que passei. Sempre quis voltar a jogar no meu melhor nível, competir com as melhores, chegar longe nos Grand Slams, o que está a acontecer aqui. Isso levou-me um bocadinho às lágrimas, mas foram lágrimas de alegria”, disse.

“Estou a chamar a isto a minha segunda carreira. Portanto, é a primeira meia-final da minha segunda carreira. Mas sim, demorei um bocadinho a lá chegar. Eu nunca fui capaz de jogar tão bem em Grand Slams e fico feliz por desta vez ser diferente. Estou a adorar.”

Neste momento, Petra Kvitova é virtualmente a número 1 mundial. No entanto, o foco está todo na meia-final frente a Danielle Rose Collins. “Vocês conhecem-me. Eu não ligo muito ao ranking. Aliás, é a primeira vez que sou informada disso [da posição virtual]. Não me importo, sinceramente. Estou num torneio, num Grand Slam e acho que não há espaço para pensar nisso. O próximo jogo, na meia-final contra a Danielle. É isso que interessa agora”, concluiu.

A tenista de 28 anos, vencedora de duas edições de Wimbledon, está de volta às meias-finais em Melbourne Park pela primeira vez desde 2012.

Adepto do desporto em geral mas com especial carinho pela "bolinha saltitona". O bichinho surgiu ainda Rafael Nadal não tinha mangas e não mais saiu. Chegada a oportunidade de me juntar ao Raquetc, juntamente com a minha ambição de ser jornalista, foi fácil aceitar juntar-me à equipa.