Gonçalo Falcão ou Hugo Maia. Um deles vai vencer o primeiro Masters Seniores FPT

Gonçalo Falcão
Fotografia: Fernando Correia/FPT

Duelo de gerações a fechar o Masters Seniores da Federação Portuguesa de Ténis: Gonçalo Falcão, de 30 anos, e Hugo Maia, de 17, selaram neste sábado — dia de jornada dupla — o apuramento para a final masculina do torneio que se joga no Complexo Desportivo do Jamor, em Oeiras.

O primeiro a fazê-lo foi Hugo Maia, que reagiu da melhor forma possível à chamada de última hora e terminou a fase de grupos com um registo perfeito. Depois de derrotar José Ricardo Nunes no primeiro dia, o jovem bracarense impôs-se perante João António (7-5 e 6-0) e Illia Stoliar (6-2 e 6-4) para terminar como melhor classificado do Grupo 1.

Depois foi preciso esperar-se um par de horas para se ficar a conhecer o outro finalista, isto porque Gonçalo Falcão viu-se envolvido numa grande batalha.

Quis o destino que devido aos resultados anteriores o duelo do cascalense (que tinha vencido Gonçalo Ferreira por 2-6, 6-4 e 6-4 na parte da manhã) com Tomás Marques (que já tinha passado por Gonçalo Pereira, com 7-5 e 6-4) fosse uma espécie de meia-final e até foi o jogador da Associação Académica de Coimbra a ficar mais próximo do encontro decisivo: Tomás Marques teve dois match points ao 5-3 do terceiro set, no serviço do adversário, mas não conseguiu segurar a liderança e Gonçalo Falcão acabou por selar a vitória no tie-break, ao fim de 2h44, por 4-6, 6-3 e 7-6(2).

A final entre Gonçalo Falcão e Hugo Maia está marcada para as 10h de domingo, no court 1 do Complexo Desportivo do Jamor, em Oeiras. Já o terceiro lugar, vai ser discutido entre João António e Tomás Marques, enquanto José Ricardo Nunes e Gonçalo Pereira vão lutar pelo quinto posto e Illia Stoliar e Gonçalo Ferreira pelas duas últimas posições.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."