Tiago Cação: “Senti-me pouco seguro a jogar, mérito do Frederico”

Se no início da temporada era uma surpresa ver Tiago Cação a discutir títulos de singulares no circuito internacional, neste momento já não o é. O jogador do CAR disputou este domingo a sua quarta decisão da temporada, mas foi incapaz de sair por cima, ao cair perante a sua ‘besta negra’ dos último tempos, Frederico Silva.

Das três finais que já tinha jogado antes desta, duas tinham sido perdidas em três partidas para o caldense e desta vez a história repetiu-se, com a diferença desta ter sido resolvida em parciais diretos, algo justificado pelo menor rendimento do tenista de 20 anos que contrastou com o melhor aproveitamento do mais cotado dos dois.

“Senti-me pouco seguro a jogar, mérito do Frederico. A diferença a meu ver esteve nos pontos importantes em que o Frederico jogou sempre melhor que eu, e pela maneira em que conseguiu usar o vento a seu favor. O que correu pior para mim foram as tomadas de decisões incorretas que fiz no primeiro set”, afirmou em declarações feitas ao Raquetc, que vão ao encontro das do terceiro cabeça de série da prova.

As finais não têm sido propriamente felizes para o jovem português, mas este aspeto é algo que não fica na cabeça de Tiago Cação durante muito tempo. “É só mais uma final, estou contente pelo meu desempenho ao longo da semana, foi uma semana positiva e vou começar a próxima semana confiante”.

Apoiado pela família ao longo da semana, o jogador de Peniche diz que “é sempre bom ter o apoio da família quando estou a jogar” e fala ainda dos objetivos para as próximas semanas. “Parto com o objetivo de dar o meu melhor sempre que entro em campo, e de continuar fiel ao trabalho que tenho desempenhado até aqui”, finalizou o número 575 mundial.

Francisco Semedo
A tirar a licenciatura em Turismo na Universidade Europeia, desde cedo se interessou pelo ténis. Começou aos 9 e desde então tem um olhar atento e constante de tudo o que se passa naquela que considera ser a melhor modalidade a todos os níveis.