Zverev descarta pressão: “Desde que gostes do que fazes, o sucesso acabará por surgir”

Sascha Zverev RG
Fotografia: Roland Garros

Alexander Zverev ainda só tem 21 anos, mas já é alvo de destaque mediático como vários dinossauros do circuito. E não é para menos: é que o jovem alemão é o número 3 do ranking e no palmarés já tem uns impressionantes 8 títulos de campeão de torneios do ATP World Tour, três dos quais Masters 1000.

Mas o que Zverev ainda não conseguiu foi transportar para os 4 maiores torneios da modalidade o nível que exibe amiúde — e que já faz dele um dos tenistas mais temidos do circuito — nos restantes eventos. Em 12 participações em quadros principais de torneios do Grand Slam, o melhor que fez até ao momento foi alcançar a quarta ronda em Wimbledon (2017). Será Roland Garros um ponto de viragem?

“Estou a fazer tudo o que posso para aproveitar todos os momentos e desfrutar de jogar nestes grandes palcos, desfrutando de grandes batalhas como a de hoje. Desde que gostes do que fazes, o sucesso acabará por surgir”, referiu aos jornalistas, em conferência de imprensa, depois de eliminar Dusan Lajovic em quase 3h30.

“Estou muito feliz com esta vitória em cinco sets frente a um tenista que já derrotou grandes jogadores nesta época de terra batida [Juan Martín del Potro e Richard Gasquet, por exemplo]. Tenho noção que obviamente que não foi o meu melhor encontro e que há coisas que ainda precisam de ser trabalhadas. Mas, verdade seja dita, nos dois últimos sets senti-me realmente muito bem, apesar de algum cansaço”, observou.

Se conseguir levar de vencida Damir Dzumhur, Alexander Zverev garante que alcança em Paris a sua melhor prestação até à data. As expetativas que tem sobre si e que o apontam como um dos tenistas a chegar às fases finais da prova não lhe tiram o sono. “Já tive grandes resultados no circuito ATP, onde ganhei 3 Masters e disputei outras duas finais esta época. Sei que se trabalhar bem vou vencer estes encontros mais longos”, frisou.

Total
1
Shares

Leave a Reply

Total
1
Share