Svitolina não abdica da coroa de rainha de Roma

Svitolina Roma
Fotografia: Antonio Costantini

Pela segunda edição consecutiva, a final individual feminina do torneio de Roma teve como protagonistas Elina Svitolina e Simona Halep, mas contrariamente ao derradeiro encontro do ano passado, aquele que decorreu este domingo teve apenas um sentido: o da tenista ucraniana, que revalidou assim o título de campeã da prestigiada prova italiana.

19 minutos foi o tempo que Svitolina precisou para vencer uma primeira partida em que Halep se limitou a fazer figura de corpo presente, vencendo apenas oito pontos. “Sabes que mais? Precisas de resolver isso sozinha”, dizia-lhe Darren Cahill, o seu treinador.

Mas a romena, que é líder do ranking, não esteve nos seus dias. Esteve em todo o lado menos no campo, onde precisava de estar para lutar por mais um título. Há dias assim, maus, em que nada sai. E a ucraniana, número 4 da hierarquia, não se deixou afetar pelo que via do outro lado da rede e fez o que tinha a fazer, repetindo em 2018 o que havia feito em 2017.

Os parciais finais que conduziram Elina Svitolina ao seu terceiro título da época (12.º da carreira) definiram-se em 6-0 e 6-4 em cerca de uma hora de uma final que prometia muito, mas que acabou por ficar aquém das expetativas.

Importa referir que, já com break abaixo no segundo set (3-2), Halep deixou o court para ser assistida na zona da anca esquerda, ela que ontem precisou de quase duas horas e meia para levar de vencida Maria Sharapova num encontro muito exigente.

Em termos de ranking, fica tudo na mesma: Halep chegará a Roland Garros como número 1 do mundo e Svitolina como número 4. As casas de apostas dão, naturalmente, a romena como favorita ao título em Paris. Porque é a primeira da tabela classificativa e porque já disputou a final em duas ocasiões. Mas também o era para hoje, só que o favoritismo não ganha jogos (nem finais).

Que venha Roland Garros!

Total
1
Shares

Leave a Reply

Total
1
Share