Frederico Marques: “Não existe pressão, existe determinação em cumprir os nossos objectivos”

É já este domingo que João Sousa irá fazer a sua estreia na temporada de 2018, mais precisamente no ATP 250 de Auckland. Algumas horas depois de chegarem finalmente à Nova Zelândia, falámos com Frederico Marques para saber quais as expetativas para a primeira semana de competição e as principais dificuldades que podem surgir.

“A principal dificuldade de adaptação é o fuso horário. São 12 horas de diferença para Barcelona onde treinamos. Mas temos muita experiência em viagens e fusos horários. Começámos a adaptação bem antes de chegar a Auckland”, comentou o técnico português, que através da sua conta oficial do facebook, deu a conhecer que só a viagem demorou 38 horas entre “aeroportos e aviões”.

Sobre o primeiro treino de adaptação e as condições do court, Frederico Marques diz que “as condições estão rápidas e durante o primeiro dia de treinos houve algum vento e chuva”.

Finalista na anterior edição, a primeira semana do ano de 2017 foi provavelmente a melhor do número um português. Questionado sobre a diferença de nível de um ano para o outro, Frederico Marques prefere não focar-se apenas nesta semana, mas sim nos primeiros meses de competição.

“O ano passado o João esteve muito competitivo e a exibir-se a muito bom nível aqui Auckland, mas o mais importante para mim é que possa evoluir e estar mais competitivo durante mais semanas em 2018”, comentou, revelando a principal necessidade na fase inicial da temporada.

“O nosso pensamento é vencer o máximo de encontros nesta fase inicial do ano. Precisamos de muitos jogos e muita competição para automatizar algumas mudanças feitas na pré-temporada”, afirmou.

O facto de ter chegado à final no ano transato, faz com que João Sousa tenha importantes pontos a defender esta semana, algo que segundo Frederico Marques não entra no pensamento de ambos.

“Não existe pressão, existe determinação em cumprir os nossos objectivos e evoluir o que sabemos que temos de evoluir para estar ainda melhor no ranking. Estamos a trabalhar muito bem hoje em dia e somos muito mais completos. Este ano vai existir uma mudança em termos de nível de jogo”, reiterou o técnico e amigo do vimaranense.

Por fim, falando primeiro adversário de 2018, Frederico Marques não espera uma tarefa fácil, apelidando Donald Young como um “jogador perigoso em superfícies rápidas.”

“O Donald Young é um jogador perigoso neste tipo de superfícies rápidas. Um jogador canhoto, com muito boa colocação do serviço, forte na resposta e está muito cómodo do meio campo para a frente, utilizando em algumas situações o serviço rede”, concluiu.

Total
4
Shares
Total
4
Share