Svitolina supera estreia difícil e mantém-se na luta pelo título (e número 1)

Fotografia: USTA/Andrew Ong

A abrir a jornada de quarta-feira, houve mais uma surpresa perto de se concretizar: depois de vencer tranquilamente o primeiro set, Elina Svitolina não se livrou do susto antes de se conseguir desenvencilhar de Kateřina Siniakova para se afastar do rumo seguido por Simona Halep (número dois mundial) e Angelique Kerber (campeã em título) nos dias anteriores.

Quarta candidata à vitória em Nova Iorque, a tenista ucraniana de 22 anos procura atingir pela primeira vez na carreira a segunda semana do US Open — e mesmo assim terá de continuar a avançar para poder ser número 1 mundial — e deu hoje o sempre difícil primeiro passo. Talvez até mais difícil do que esperado, mesmo se Siniakova já é, aos 21 anos, a número 42 do ranking.

Isto porque o começo do encontro — que tal como grande parte dos que hoje se disputam arrancou ontem — foi de tal forma favorável à número 4 mundial que o primeiro parcial terminou com um 6-0. Só que depois, cada vez mais solta, a tenista checa conseguiu começar a criar dificuldades a Svitolina, que não reentrou nada bem na partida quando regressou ao campo esta quarta-feira.

Com três erros não forçados de esquerda, deu hipóteses a Siniakova de igualar o marcador e viu-se forçada a uma terceira e decisiva partida, onde até foi a primeira a ser quebrada. Ter o jogo nas mãos é um outro peso e a adversária, menos experiente, sentiu-o, acusando a pressão quando não podia para permitir a Elina Svitolina a reviravolta e vitória por 6-0, 6-7(5) e 6-3.

Superado o primeiro obstáculo, Svitolina aguarda agora pela vencedora do encontro inaugural da jornada no Artur Ashe Stadium, que coloca frente a frente Evgeniya Rodina e Genie Bouchard. Para já, conseguiu escapar à maré de eliminações, mas são já três entre as 10 primeiras as que abandonaram o US Open na ronda inaugural: Simona Halep, Angelique Kerber e Johanna Konta.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."