Um lugar, oito candidatas. A luta pelo número 1 vai estar ao rubro no US Open

Ao contrário do circuito masculino, em que a luta pela primeira posição ficou reduzida a Rafael Nadal e Roger Federer depois da desistência de Andy Murray, no feminino a batalha pelo primeiro lugar do ranking promete ser mais animada — ou, pelo menos, mais complicada. No total, são 8 as jogadoras que podem sair do US Open com o primeiro posto nas mãos.

Karolina Pliskova, que é a atual detentora da posição, tem os pontos (1.300) da final a defender e por isso não se adivinha tarefa fácil. A checa é, na verdade, a número 1 mundial com uma margem menor para uma número 2 desde o dia 19 de outubro de 2009, tendo apenas mais cinco pontos do que Simona Halep (que, convém lembrar, tem Maria Sharapova como primeira adversária).

E por falar na romena, Halep pode perder na primeira ronda e mesmo assim as restantes 7 jogadoras ver-se-ão forçadas a ter de avançar rondas para terem hipóteses de a ultrapassar. Mas vamos aos cenários (ou pelo menos aos mais prováveis, com a ajuda das contas feitas pela WTA):

Feitas as contas, não há dúvidas de que Simona Halep é o alvo a abater em Nova Iorque. Ainda sem qualquer título do Grand Slam no currículo mas já duas finais disputadas, a número 2 mundial já por quatro vezes teve em mãos a possibilidade de chegar ao topo do ranking este ano (Roland Garros, Eastbourne, Wimbledon e Cincinnati).

Garbine Muguruza, a campeã em título de Wimbledon, também está em posição de subir ao topo do ranking, mas precisa de chegar pelo menos à quarta ronda para entrar na discussão, ela que nunca passou da segunda eliminatória no Major norte-americano.

Elina Svitolina, a rainha dos Premier 5 em 2017, terá de marcar presença nas meias-finais para ter hipóteses de abandonar a cidade norte-americana no topo da classificação. Até agora, a ucraniana de 22 anos nunca marcou presença na segunda semana.

A luta é a 8, sim, mas estas são as quatro jogadoras que estão em melhor posição para abandonarem o último Grand Slam do ano com o primeiro lugar. Quanto a Caroline Wozniacki, Venus Williams (que sabem o que é estar lá em cima), Svetlana Kuznetsova (já foi número 2) e Johanna Konta, precisam de ganhar o título e esperar por outros resultados para estarem na discussão.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."