João Monteiro: “Acho que joguei bem mas gostava de ter saído do jogo com a vitória”

João Monteiro foi eliminado na tarde desta segunda-feira na ronda inaugural do Lisboa Belém Open após ceder ao cabo de três partidas frente a Taro Daniel, quarto-finalista da edição deste ano do Millennium Estoril Open e número 93 mundial. Em análise após o encontro, o campeão nacional absoluto revelou estar triste pelo resultado mas satisfeito com a sua exibição.

“Infelizmente caíram os dois jogos para o outro lado. Por um lado acho que joguei bem, mas por outro lado gostava de ter saído deste jogo com a vitória. No segundo set senti que estava por cima mas depois no terceiro set foi algo estranho. Cronologicamente, entrei um bocado nervoso, com o break inicial a acabar por definir o primeiro set. Fui sempre atrás do prejuízo mas acabou por cair para o lado dele. No primeiro set estava também com dificuldades na resposta ao serviço mas depois penso que fui mais agressivo”, começou por afirmar Monteiro.

Sobre a paragem no encontro devido a um medical time out requisitado (assistência às costas) por Taro Daniel, João Monteiro afirmou que “foi muito grande, durou quase 10 minutos com o resultado em 5-4”, sendo que “depois houve uma paragem para a manutenção do campo que são mais 5 minutos, portanto estamos ali parados quase 20 minutos. Não sei se perdi energia, não sei bem o que aconteceu. Mas sinto que joguei um bocadinho pior no terceiro set. Estávamos ambos mais cansados. Tenho de dar mérito, porque se ele está no lugar onde está é porque se calhar chega a estes momentos e torna-se mais duro.”

“A única coisa que sinto neste momento é que preciso de mais jogos destes, sinto que é preciso mais e mais e mais. Mais destes jogos porque faz pouco tempo que estou nestes torneios e acho que uma pessoa sente um bocadinho a diferença de um jogador destes para os jogadores que andam nos Futures e é um jogador que não vai dar nenhuma bola. Estamos um bocado habituados se calhar a outro nível a ter uma borla aqui ou ali e com estes jogadores eles não vão dar nada por isso torna-se mais complicado, sem dúvida”, apontou o jogador portuense de 23 anos.

Acerca da evolução constante e positiva na hierarquia, João Monteiro desvaloriza um pouco isso e prefere concentrar-se em desenvolver o seu jogo.”Sinto que o ranking não é enganador e tenho subido bem mas neste momento não estou muito obcecado em subir o mais rapidamente possível. Tenho de melhorar o meu jogo, tenho de me adaptar um bocado melhor à terra batida porque estive muito tempo a jogar só em piso rápido e não me sinto ainda como um ‘peixe na água’ em terra batida. Acho que estou a evoluir o meu jogo, a minha direita está melhor do que estava quando comecei a jogar este tipo de torneios há um ano e o resto acaba por acontecer.”

Quanto ao calendário e à escolha dos torneios e respetivas superfícies, João Monteiro afirma que “é uma programação feita pelos treinadores do Centro de Alto Rendimento e depois deste Challenger vamos jogar bastantes semanas em piso rápido mas acho que tenho de me habituar, tenho de me adaptar à terra batida porque não sou propriamente um jogador muito alto e se calhar a terra batida poderá ser bastante importante para mim num futuro próximo. No piso rápido há jogadores mais altos que servem muito bem e isso torna-se complicado para um jogador mais baixo como eu, por isso não estou muito preocupado em jogar só em piso rápido. Acho que vou acabar por ir evoluindo na terra batida.”

Avatar
Natural da Ilha do Pico, Açores. Estudante do 3.º ano do curso de Direito da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Amante e seguidor de ténis desde a adolescência.