Só cinco portugueses tinham feito o que João Domingues conseguiu esta terça-feira no Rio

Fernando Correia/Millennium Estoril Open

Depois de Pedro Sousa em Buenos Aires, esta semana é João Domingues quem está a brilhar no ATP 500 do Rio de Janeiro e na noite de terça-feira o número três nacional alcançou uma vitória histórica que o vai catapultar para um novo máximo no ranking ATP. Mas não só.

Ao derrotar Federico Gaio pela segunda vez em três dias, o tenista português de 26 anos tornou-se apenas no sexto da história do país a vencer um encontro em quadros principais de singulares de torneios ATP 500.

Antes de João Domingues já Frederico Gil (Barcelona 2009 e Barcelona 2012), João Sousa (somou em Barcelona 2012 a primeira de 13 vitórias) e Gastão Elias (Hamburgo 2014 e Rio de Janeiro 2018) tinham carimbado triunfos em provas desta categoria, mas no passado também Nuno Marques (Indianápolis 1991, Washington 1995 e Memphis 1996) e João Cunha e Silva (Tóquio 1993, Washington 1993 e Washington 1996) venceram encontros em torneios ATP Championship Series — designação que em 2009 deu lugar aos ATP 500.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."