Número 1 mundial de pares também acusou positivo num controlo anti-doping e falha o Australian Open

O impensável aconteceu: horas depois da Federação Internacional de Ténis anunciar a suspensão provisória de Nicolas Jarry (78.º ATP e ex-top 40) depois de ter acusado positivo num controlo anti-doping, foi a vez do número 1 mundial de pares, Robert Farah, anunciar que também foi suspenso.

O caso do colombiano (que ao lado do compatriota Sebastian Cabal venceu os últimos torneios de Wimbledon e do US Open) foi dado a conhecer pelo próprio nas redes sociais, onde publicou uma extensa mensagem em que dá a conhecer detalhes sobre o processo.

“A ITF comunicou-me há algumas horas que me foi detetada boldenona num controlo anti-doping que fiz no dia 17 de outubro na cidade de Cali. Duas semanas antes fiz um outro exame, em Xangai, e não acusei nenhuma substância. Tal como aconteceu ao longo das cerca de 15 vezes em que fui testado de forma aleatória ao longo do ano, esclarece o líder do ranking mundial de pares antes de garantir a sua inocência.

“Como afirmou o Comité Olímpico Colombiano em 2018, esta substância encontra-se frequentemente na carne colombiana e pode afetar os resultados de todos os atletas. Tenho a certeza de que foi esta condição que gerou o resultado do teste em que acusei positivo”, partilhou Farah.

“Tranquilo e confiante” de que os resultados do processo vão sair a seu favor, Robert Farah também indicou que está a tomar todas as medidas legais necessárias junto da sua equipa. Por agora não há mais desenvolvimentos conhecidos.

Atualizado às 17h42.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."