Depois de uma pré-época de desafios, João Sousa entra em 2020 a perder

Sem competir e, sobretudo, sem estar livre de contrariedades há menos tempo do que o esperado, João Sousa não conseguiu contrariar as probabilidades e despediu-se do primeiro torneio da nova época na primeira ronda.

Chegado a Auckland, na Nova Zelândia, com uma entorse no pé esquerdo sofrida quando já caminhava para a recuperação total de uma fratura de esforço que o forçou a terminar 2019 mais cedo, o melhor tenista português da história acusou a preparação conturbada e perdeu por 6-4 e 6-2 para Vasek Pospisil num encontro interrompido várias horas pela chuva.

Foi a segunda vitória consecutiva do canadiano sobre o português, que tinha ganho os quatro encontros anteriores.

Este resultado afasta João Sousa do ASB Classic na primeira ronda pela primeira vez desde 2016, ele que em 2017 começou o ano com uma final disputada neste mesmo evento (só perdeu para Jack Sock, então número 23 do mundo, e em três sets).

Agora, segue-se a participação no quadro de pares — ao lado do bom amigo Leonardo Mayer — e depois a viagem para Melbourne, onde vai disputar o quadro principal do Australian Open. Por lá já lá estão, entretanto, três compatriotas que lutam pela sorte no qualifying.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."