Reviravolta afasta João Domingues da tão desejada final do Maia Open

Beatriz Ruivo/Federação Portuguesa de Ténis

MAIA — A presença portuguesa no quadro principal de singulares do Maia Open esteve perto de se estender ao derradeiro capítulo, mas João Domingues não conseguiu levar avante a investida e acabou por sofrer uma reviravolta que o afastou nas meias-finais do último torneio da temporada — quer para ele, quer para os circuitos organizados pela Associação dos Tenistas Profissionais.

Tal como nas três rondas anteriores, este sábado o jogador natural de Oliveira de Azeméis entrou de forma autoritária frente a Constant Lestienne, o francês (242.º) que para chegar às meias-finais deixou pelo caminho três cabeças de série. Mas a investida não foi suficiente e acabou derrotado pelos parciais de 1-6, 7-6(5) e 6-2 ao fim de 2h18.

O tenista português de 26 anos apressou-se a ditar o tom do primeiro parcial e com uma quebra de serviço em branco passou logo para a frente do marcador. Apesar de ainda ter sido testado, Domingues nunca perdeu terreno e com mais dois breaks conseguiu arrecadar um primeiro parcial de sentido único que obrigou rapidamente Lestienne a pensar no seguinte.

Como era esperado, o francês de 27 anos elevou o nível logo no reatar do encontro e com um break mostrou ao oliveirense que queria lutar pela recuperação. Apesar de ainda ter recuperado quer nessa ocasião, quer noutras duas mais à frente — inclusive para se manter no set e forçar um tie-break —, Domingues não voltou a conseguir dominar e perdeu uma oportunidade muito importante no tira-teimas.

Também experiente nestas andanças, Constant Lestienne ganhou muita motivação e puxou o ascendente para o seu lado. Ao quinto jogo do parcial decisivo, o gaulês criou uma oportunidade de break e não a desperdiçou, conseguindo a vantagem necessária para passar pela primeira vez para a frente do encontro. Foi, no fundo, o fim da batalha.

João Domingues procurava a terceira presença da temporada em finais do ATP Challenger Tour, depois de ter sido finalista em Tunis e campeão em Braga.

Como não conseguiu, dá por terminada a representação portuguesa no torneio que marca o regresso do circuito internacional masculino à Maia e também coloca um ponto final na temporada — e apesar de tudo com razões para sorrir: a boa prestação no Maia Open vai-lhe valer uma subida de cerca de 17 lugares na próxima atualização do ranking ATP, sensivelmente até ao 175.º posto (ficando bastante próximo do 160.º que atingiu em maio).

Última atualização às 15h32.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."