Lousada. Matilde e Francisca Jorge são as portuguesas restantes

Lousada Indoor Open

Esta quarta-feira foi de saldo negativo para as cores nacionais no quadro principal do Lousada Indoor Open II. No final da primeira ronda, restam apenas duas tenistas portuguesas em prova, depois de quatro atletas terem sido afastadas, à semelhança do que havia acontecido na terça-feira com Maria Inês Fonte.

A primeira a ir a jogo foi Matilde Jorge, que recebeu um wild card da organização para disputar o quadro principal. A vimaranense aproveitou a oportunidade e bateu a lucky loser russa Ksenia Kolesnikova (1269.ª WTA) de forma bem clara, com os parciais de 6-0 e 6-3. Poucos minutos depois, no Court 8, Mariana Campino (1244.ª) despediu-se do torneio ao ser derrotada pela alemã Katharina Hering (696.ª), pelos parciais de 6-1 e 7-6(4).

De volta à ação no Court 7, depois de Matilde Jorge foi a vez da irmã, Francisca, entrar em court. A campeã do primeiro torneio disputado no Lousada Ténis Atlântico saiu vencedora num confronto 100% português perante Mafalda Guedes. Os parciais de 6-4 e 6-2, em uma hora e 23 minutos de encontro, definiram a segunda tenista portuguesa a avançar para a segunda ronda.

À mesma hora, no Court 8, Bárbara Balancho jogava o acesso à segunda ronda perante a mais experiente Olga Parres Azcoitia. A atleta lusa de 17 anos não conseguiu impor o seu ténis e foi derrotada em apenas 54 minutos, numa partida sem grande história e que findou com os parciais de 6-0 e 6-1.

A última lusa a ir a jogo foi Ana Filipa Santos, no último jogo do dia no Court 7. Depois de ter furado toda a fase de qualificação, a jogadora de 23 anos não conseguiu impor-se perante a menos experiente Margaux Orange, de 19. A gaulesa arrancou muito bem e venceu o primeiro parcial por 6-0 em apenas 33 minutos. O segundo parcial acabou por ser mais equilibrado, mas ainda assim caiu para a tenista francesa, que venceu por 6-3 e assegurou a continuidade em prova.

Avatar
Adepto do desporto em geral mas com especial carinho pela "bolinha saltitona". O bichinho surgiu ainda Rafael Nadal não tinha mangas e não mais saiu. Chegada a oportunidade de me juntar ao Raquetc, juntamente com a minha ambição de ser jornalista, foi fácil aceitar juntar-me à equipa.