Inês Murta e Inês Fonte impedidas de chegar à final de singulares do Santarém Ladies Open

André Ferreira/Federação Portuguesa de Ténis

Nem Inês Murta, nem Maria Inês Fonte: as duas jogadoras portuguesas presentes nas meias-finais do quadro principal de singulares do Santarém Ladies Open não conseguiram sair por cima dos respetivos duelos ibéricos e vão falhar a decisão de singulares do torneio internacional organizado pelo Clube de Ténis de Santarém.

Na primeira meia-final do dia, Maria Inês Fonte (sexta cabeça de série fruto do 876.º lugar no ranking) não entrou bem mas reagiu e esteve muito perto de encaminhar a decisão do encontro para uma terceira e decisiva partida — teve dois set points no tie-break — só que não conseguiu aproveitar nenhuma das oportunidades e acabou derrotada pela espanhola Almudena Sanz-Llaneza Fernandez (sétima cabeça de série e 863.ª) por 6-1 e 7-6(8).

Depois, Inês Murta — terceira favorita e 650.ª WTA — falhou em encontrar argumentos para a também espanhola Maria Gutierrez Carrasco — segunda e 673.ª —, que com menos trabalho e em menos tempo de jogo venceu com 6-1 e 6-3 para marcar uma final 100% espanhola.

Em pares sim, a jornada sorriu, invariavelmente, às cores portuguesas: Matilde Jorge (com a espanhola Celia Cervino Ruiz) derrotou Sara Lança (que jogou com Ekaterina Shalimova) para conquistar, aos 15 anos, o primeiro título no circuito internacional.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."