João Sousa travado nos quartos de final de Chengdu por nova estrela do ténis sul-africano

Chengdu Open

Depois de brilhar em São Petersburgo, João Sousa procurava as segundas meias-finais consecutivas em torneios ATP mas foi travado pela nova estrela do ténis sul-africano no Chengdu Open, um dos dois ATP 250 que se jogam em solo chinês esta semana.

O número um nacional e 62.º colocado da hierarquia mundial entrou com o pé direito mas permitiu a recuperação a Lloyd Harris (111.º), que com os parciais de 6-7(5), 6-3 e 6-4 chega pela primeira vez às meias-finais de um torneio da “divisão” principal do circuito mundial.

A um passo de igualar o resultado alcançado há um ano, João Sousa resistiu a um primeiro parcial sem breaks — em que até foi o único a estar perto de ganhar um jogo no serviço do adversário — para ganhar a sempre importante primeira vantagem. Mas o sul-africano de 22 anos (que no início da época transata brilhou em Portugal ao vencer dois torneios ITF consecutivos) foi rápido a reagir e entrou com a confiança redobrada no segundo set.

A quebra de serviço consumada logo à primeira tentativa ditou um ponto de viragem no encontro, com Harris a fazer uso do potente serviço aliado a várias combinações com a pancada de direita para criar cada vez mais dificuldades ao melhor tenista português de todos os tempos, que ainda tentou mas não conseguiu aproveitar as poucas oportunidades de que dispôs até à reta final do encontro.

Da China, João Sousa viaja de seguida para o Japão, onde vai disputar o ATP 500 de Tóquio. O cabeça de cartaz do torneio é o número um mundial, Novak Djokovic, que deveria ser seguido da grande estrela da casa, Kei Nishikori, na lista de favoritos. No entanto, o nipónico (que em 2016 desistiu em pleno encontro da segunda ronda com o português) já fez saber que por razões físicas não conseguirá participar no torneio.

Atualizado às 11h07.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."