Vitórias, vitórias e mais vitórias: Nuno Delfino apurado para três oitavos de final no Mundial

Fotografia: Beatriz Ruivo/Federação Portuguesa de Ténis 2019

Nuno Delfino pode já estar cansado mas não se cansa de vencer: depois de uma semana a representar Portugal no Campeonato do Mundo de Veteranos por Equipas, o algarvio está em ação na prova individual e já soma impressionantes sete vitórias entre o Complexo Desportivo do Jamor, em Oeiras, e o Clube Internacional de Foot-Ball, em Lisboa.

Entre uma comitiva que tem feito história e tem até conseguido superar as expetativas, o tenista algarvio está a destacar-se como a grande figura lusa e foi o jogador em maior destaque na jornada desta terça-feira, ao derrotar o 15.º cabeça de série e número 35 mundial Matt Ilott, da Austrália, por 6-1 e 6-3 para carimbar o acesso à quarta ronda da categoria de +50 — o mesmo que dizer que já está nos oitavos de final.

“Isto tem de ser gerido dia a dia porque o esforço tem sido enorme e já começo a sentir dores na anca”, admitiu em declarações à assessoria de imprensa do torneio depois da terceira vitória da semana em singulares (na anterior, como capitão de equipa, já tinha contribuído com três triunfos em quatro tentativas). “Ainda consegui libertar um bocadinho a anca, que estava ligeiramente presa. O físio tem sido uma grande ajuda neste projeto todo e hoje consegui jogar a um bom nível. Fiz o meu trabalho de casa e falei inclusive com alguns colegas que já tinham jogado contra ele”, acrescentou, revelando que “foi importante ter arrancado uns bons passing shot logo no início para controlar os ímpetos dele, que é o típico australiano que gosta de subir à rede.”

Mas a jornada não se ficou por aqui: é que Nuno Delfino está a ser bem sucedido em todos os quadros e para além dos oitavos de final de singulares tem também por disputar os de pares masculinos (ao lado de Vasco Graça derrotou o sueco Jan Hedman e o russo Oleg Vasyliev, primeiros cabeças de série, por 6-3, 5-7 e 10-5) e os de pares mistos (forma parceria com Isabel Pinto, com quem superou a italiana Monica Giamberini e o brasileiro Eurico Carvalho, igualmente principais pré-designados, pelos parciais de 7-6(4), 5-7 e 11-9).

Nos restantes encontros de singulares do dia verificaram-se cinco desaires para jogadores portugueses: na categoria de +60 femininos, Carmo Santos perdeu para a número 5 do mundo, Fiona Walker, por 6-0 e 6-2 e Marília Madeira Pinto por 6-0 e 6-0 para Jenny Chin; na categoria de +55 masculinos o campeão nacional Paulo Travassos lutou durante muito tempo com o sexto cabeça de série (e ex-número 2) Franck Hervy, acabando por perder por 6-3, 4-6 e 6-2; e na categoria de +50 Pedro Martins cedeu por 6-4 e 6-0 para Egils Valeinis, 14.º pré-designado, e Carlos Santos por 6-0 e 6-0 para o semifinalista de 2018, Marcos Perez Hubert.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."