Gastão Elias nos quartos de final do Challenger de Nur-Sultan

Fotografia: Margarida Moura/Federação Portuguesa de Ténis

Continuam a surgir vitórias para Gastão Elias no Cazaquistão. Esta quinta-feira, o 345.º classificado do ranking ATP levou a melhor sobre o bósnio Mirza Basic (212.º ATP), sexto cabeça de série do Challenger de Nur-Sultan, e carimbou o passaporte para os quartos de final do torneio cazaque. O tenista da Lourinhã venceu com parciais de 3-6, 6-3 e 7-6(6).

Numa batalha que teve quase duas horas e 30 minutos de duração, Gastão Elias teve uma má entrada na partida e permitiu ao adversário chegar a uma vantagem de 5-0. O português ainda conseguiu depois vencer três jogos consecutivos, nos quais recuperou um dos breaks que tinha em atraso, mas não conseguiu impedir que Basic conquistasse o primeiro set.

A resposta surgiu no segundo parcial. Mais sólido nos jogos de serviço, Gastão Elias soube esperar pela oportunidade e, quando esta surgiu, agarrou-a e quebrou o serviço ao oponente, ao oitavo jogo. O tenista luso serviu depois com sucesso para a conquista do parcial, tendo ainda salvo três break points pelo meio.

Na terceira partida, as oportunidades foram escassas, mas surgiram. Gastão Elias teve três break points a favor ao quinto jogo do set, mas não conseguiu capitalizar. Pouco depois, foi Basic a dispor de três oportunidades, que coincidiram também com match points, quando o português servia a 4-5 para se manter na discussão do encontro.

Com tudo igualado, só o tie-break pôde separar os dois tenistas. Uma vez mais, o português de 28 anos teve que salvar match points – salvou cinco no total -, antes de conseguir aproveitar a primeira oportunidade que teve para selar a vitória.

Nos quartos de final, Gastão Elias vai ter pela frente uma difícil tarefa: o tenista luso mede forças com o primeiro cabeça de série, o russo Evgeny Donskoy (126.º ATP). Os dois nunca se defrontaram anteriormente.

Avatar
Adepto do desporto em geral mas com especial carinho pela "bolinha saltitona". O bichinho surgiu ainda Rafael Nadal não tinha mangas e não mais saiu. Chegada a oportunidade de me juntar ao Raquetc, juntamente com a minha ambição de ser jornalista, foi fácil aceitar juntar-me à equipa.