À sétima foi de vez para Adrian Mannarino

Quem o viu e quem o vê: cerca de um mês depois de se ter despedido do Lisboa Belém Open na eliminatória de estreia, Adrian Mannarino quebrou um enguiço que já parecia ser mancha permanente no seu currículo e conquistou, na tarde deste domingo, o primeiro título da carreira em torneios do ATP Tour.

Foram precisas sete finais mas o momento chegou: na relva de ‘s-Hertogenbosch, na Holanda, o jogador francês de 30 anos levou a melhor sobre o australiano Jordan Thompson, por 7-6(7) e 6-3, para fazer a tão desejada festa.

Numa decisão equilibrada, Mannarino falhou mais serviços mas conseguiu vencer mais pontos nessa pancada e isso ajudou-o a salvar seis dos sete pontos de break que enfrentou, enquanto do outro lado da rede Thompson — que na parte da manhã tinha afastado o campeão em título Richard Gasquet para chegar pela primeira vez a uma final — só conseguiu converter duas de quatro oportunidades, o que fez com que mesmo ganhando mais pontos na resposta ao serviço (31-29) acabasse por ver-lhe escapar a oportunidade de erguer o mais desejado dos troféus.

Para Adrian Mannarino, que é o número 44 do mundo, esta é mesmo uma semana de ouro. O jogador nascido em Soisy-Sous-Montmorency, França, mas que vive em Valetta, Malta, já tinha jogado seis finais (Auckland e Bogotá em 2015, Antália e Tóquio em 2017 e Antália e Moscovo em 2018) mas sempre sem sucesso, tornando-se no nono jogador a conquistar pela primeira vez um torneio na atual temporada.

 

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."