Mau tempo interrompe e adia meia-final entre Djokovic e Thiem para sábado

Numa altura em que o sol até estava a regressar aos céus de Paris, a decisão foi tomada: Dominic Thiem e Novak Djokovic não regressam ao court esta sexta-feira e o que resta da meia-final entre os dois tenistas vai ser jogado no sábado.

A decisão surgiu numa altura em que o relógio indicava as 18h27 em Paris (17h27 em Portugal Continental) e minutos depois da televisão francesa ter mostrado imagens de Novak Djokovic a abandonar o recinto numa das viaturas oficiais. Antes, o número um do mundo já tinha abandonado o Court Philippe-Chatrier imediatamente após ser quebrado para 6-2, 3-6 e 3-1 a favor do austríaco, ainda antes do árbitro de cadeira ter anunciado a suspensão do duelo.

Num encontro marcado pelo vento muito forte — que dificultou muito a vida a um Djokovic que chegou mesmo a questionar o árbitro se não existem regras relacionadas com o vento e que pediu para falar com o supervisor do torneio —, Thiem esteve sempre mais confortável do que o adversário. Com uma boa seleção de pancadas e uma agressividade controlada mas eficaz,  o tenista austríaco rapidamente garantiu o primeiro parcial.

A resposta do líder do ranking surgiu no segundo set mas, entretanto, Thiem voltou a adiantar-se na terceira partida antes que esta fosse interrompida. Quando os dois tenistas voltarem este sábado ao court, Novak Djokovic terá que contrariar a história: o sérvio chegou a Roland Garros numa sequência de 10 vitórias em meias-finais do Grand Slam e onde venceu sempre o primeiro set. A última vez que Djokovic não venceu o set inaugural numa meia-final do Grand Slam, acabou por perder frente a Kei Nishikori no US Open de 2014.

Mas há ainda mais um dado interessante: Novak Djokovic está a duas vitórias de deter os quatro Majors em simultâneo pela segunda vez na carreira, sendo que a última vez que saiu derrotado num encontro de Grand Slam foi precisamente há um ano, em Paris.

Do outro lado, Dominic Thiem vai descansar até sábado na liderança do marcador e mais perto de reeditar a final de 2018 com Rafael Nadal, que o maiorquino acabaria por vencer.

Atualizado às 17h41.

Avatar
Adepto do desporto em geral mas com especial carinho pela "bolinha saltitona". O bichinho surgiu ainda Rafael Nadal não tinha mangas e não mais saiu. Chegada a oportunidade de me juntar ao Raquetc, juntamente com a minha ambição de ser jornalista, foi fácil aceitar juntar-me à equipa.