Primeiro “Fedal” dos últimos oito anos em Roland Garros já tem horário definido (mas pode não ser bem assim)

Concluídas as meias-finais femininas, os responsáveis de Roland Garros divulgaram a ordem de encontros de sexta-feira, jornada que devido ao mau tempo receberá não só os encontros do quadro masculino como, também, do feminino.

Ora, o prato forte do dia é o primeiro encontro entre Roger Federer e Rafael Nadal na terra batida de Paris desde 2011 e será precisamente esse o duelo a inaugurar a ação no Court Philippe-Chatrier: às 12h50 locais, 11h50 em Portugal Continental (para que o aquecimento termine à “hora certa”).

Depois, terá lugar a segunda e última meia-final do quadro principal masculino, que oporá ou Novak Djokovic ou Alexander ZverevDominic Thiem ou Karen Khachanov. Esses dois encontros só são disputados a partir das 13h30 desta quinta-feira.

No entanto, a ação na capital francesa vai começar bem antes: as meias-finais femininas têm ambas início marcado para as 11h locais (10h em Portugal Continental), com Ashleigh Barty e medir forças com Amanda Anisimova no Court Suzanne-Lenglen e Johanna Konta e Marketa Vondrousova a duelarem no Court Simonne-Mathieu.

Esta programação prende-se com dois fatores: o primeiro, que pode levar a que o plano não se verifique exatamente como previsto, são as previsões meteorológicas que apontam para que chova desde cedo em Paris; o segundo, o facto de antes do começo do torneio a organização ter vendido bilhetes separados para as meias-finais masculinas no Court Philippe-Chatrier, razão que impossibilita a que uma delas se jogue num dos outros campos para também a competição feminina ter um encontro no palco principal.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."