Konta surpreende Stephens e continua caminhada inesperada em Paris

Fotografia: Team GB

Se no início do torneio dissessem a Johanna Konta que chegaria às meias-finais de Roland Garros, talvez nem a própria acreditasse, até porque nunca tinha ganho um encontro no torneio do Grand Slam francês.

Mas aconteceu, para surpresa de todos.

A tenista britânica somou esta terça-feira mais uma vitória na capital francesa e garantiu o apuramento para as meias-finais, uma caminhada inesperada e ao mesmo tempo histórica para o ténis britânico — é a primeira britânica a chegar às meias-finais de Roland Garros desde 1983.

Com uma exibição de alta qualidade, a atual número 26 mundial “despachou” Sloane Stephens (7.ª WTA e finalista da última edição…) com parciais de 6-1 e 6-4 em pouco mais de uma hora de encontro. Muito sólida nos jogos de serviço — serviu acima dos 70%, venceu 85% dos pontos jogados com a primeira bola e perdeu apenas um ponto no serviço durante todo o segundo parcial —, Konta não deu grandes oportunidades (no segundo set perdeu apenas um ponto no serviço: uma dupla falta): a Stephens de fazer estragos na resposta. A norte-americana dispôs de apenas um break point durante toda a partida e não o aproveitou.

Do outro lado, Johanna Konta esteve sempre muito perigosa nas respostas, sobretudo ao segundo serviço da adversária. Não foi por isso de estranhar que a britânica tenha conseguido sete break points, dos quais converteu três. Também no número de winners a menor cotada foi capaz de marcar a diferença, ao disparar 24 contra apenas 12 da campeã do US Open.

Com o apuramento inédito para as meias-finais, Johanna Konta vai procurar dar continuidade à caminhada histórica e tornar-se na primeira britânica a chegar à final desde Sue Barker, em 1976. A separar a tenista de 28 anos da grande decisão estará a a vencedora do confronto entre Marketa Vondrousova (38.ª WTA) e Petra Martic (31.ª WTA).

Avatar
Adepto do desporto em geral mas com especial carinho pela "bolinha saltitona". O bichinho surgiu ainda Rafael Nadal não tinha mangas e não mais saiu. Chegada a oportunidade de me juntar ao Raquetc, juntamente com a minha ambição de ser jornalista, foi fácil aceitar juntar-me à equipa.