Andy Murray descarta regresso imediato nos singulares mas pisca o olho aos pares já para Wimbledon

Três meses depois de uma operação bem sucedida à anca, Andy Murray treinou pela primeira vez sem restrições e diz-se totalmente livre de dores. De tal forma que, numa entrevista ao The Times, falou da possibilidade de voltar à ação já em Wimbledon, mas na variante de pares.

“Não tenho dores nenhumas. Só preciso de ver de que forma é que a anca consegue recuperar. Sei, de ver o que o Bob Bryan tem feito, que para jogar pares estarei absolutamente bem. E daqui para a frente preciso de ver como é que ficaria para jogar singulares.”

As palavras foram ditas pelo tenista britânico de 32 anos ao jornalista Stuart Fraser minutos depois de uma sessão de 90 minutos de treino num court de terra batida verde do All England Club, com Nick Kyrgios. Foi a primeira vez desde a operação que Andy Murray foi autorizado a treinar sem restrições de movimento, ele que nos últimos tempos tem aproveitado para retomar a prática do golf, outra das suas paixões.

Andy Murray está a recuperar de tal forma que quer ir a jogo no quadro de pares do torneio de Wimbledon, mas uma aparição ao lado do irmão foi descartada esta semana pelo próprio Jamie Murray. “Quero ter as maiores hipóteses possíveis de ganhar o torneio. Normalmente teria boas hipóteses de o fazer com o Andy, mas neste momento ele não está na sua melhor forma. Estes são os melhores anos da minha carreira e se for jogar Wimbledon com um parceiro que não trocou bolas nos últimos oito meses de certa forma estou a abdicar desses anos.”

Quanto aos singulares… Andy Murray explica as razões que o levam a querer dar um passo de cada vez. “Tal como disse anteriormente, se não me estivesse a sentir bem seria mais provável que continuasse a jogar para parar depois de Wimbledon. Enquanto se me estivesse a sentir bem faria mais sentido dar tempo para me certificar de que estou tão bem quanto possível antes de tentar jogar singulares.”

“Se continuar a sentir-me bem, vou obviamente dar uma oportunidade aos singulares e ver o que acontece. Como só comecei agora a movimentar-me, não teria o tempo suficiente para me preparar a tempo do torneio de Queen’s.”, concluiu.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."