Roland Garros. Pedro Sousa desiste do qualifying e fica à espera de desistências

Pedro Sousa 1
Fotografia: Lisboa Belém Open/Fernando Correia

Pedro Sousa continua ressentido da entorse no pé esquerdo contraída em pleno Millennium Estoril Open e não está pronto para ir a jogo na próxima semana, razão que o levou a retirar o nome da lista de inscritos na fase de qualificação de Roland Garros.

Desta forma, o número dois nacional (e 120.º ATP) só participará na edição de 2019 do torneio do Grand Slam francês caso consiga entrar diretamente no quadro principal, estando por isso envolvido numa verdadeira corrida contra o tempo.

O tenista português de 30 anos é o terceiro na “lista de espera”, o que significa que precisa que se verifiquem três desistências até às 9h de segunda-feira (hora portuguesa), altura em que têm início os encontros da fase de qualificação — a partir desse momento, as desistências darão lugar a jogadores na condição de lucky loser, isto é, os que percam na terceira ronda do qualifying.

Pedro Sousa já foi cinco vezes a Paris disputar o torneio de Roland Garros, tendo sido sempre eliminado na fase de qualificação: em 2012 e 2017 na terceira ronda, em 2013 e 2015 na primeira e em 2018 na terceira.

Quem já treina na terra batida parisiense é João Domingues, que depois de três semanas praticamente sem descanso — foi finalista em Tunes, quartofinalista no Millennium Estoril Open e campeão em Braga, chegando ao Lisboa Belém Open exausto — vai procurar a primeira qualificação para quadros principais de torneios do Grand Slam. João Sousa, o número um nacional, volta a ter entrada direta e antes de chegar à capital francesa ainda disputa o ATP 250 de Genebra, na Suíça.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."