Na despedida do Lisboa Belém Open, Mannarino lamenta derrota e desfaz-se em elogios ao CIF

Fotografia: Beatriz Ruivo/Lisboa Belém Open

LISBOA — Atual número 50 do mundo, Adrian Mannarino defendia o estatuto de primeiro cabeça de série e reunia sob si vários dos holofotes, ou não fosse ele o cabeça de cartaz da terceira edição do Lisboa Belém Open. Mas o tenista francês não conseguiu confirmar o favoritismo e acabou eliminado no encontro de estreia.

Isento da primeira ronda, o jogador natural de Soisy-Sous-Montmorency perdeu uma segunda eliminatória de luxo para o belga Steve Darcis, ex-top 40 e um dos obreiros da equipa belga da Taça Davis. Sobre o encontro, Adrian Mannarino lamentou “não saber aproveitar as oportunidades que tive” num encontro em que considera ter entrado “muito bem”.

O gaulês considerou que Steve Davis “subiu o nível e apareceu muito melhor nos pontos importantes” e lamentou o desaire precoce. “Tenho muita pena, estava motivado.”

Sobre o CIF — Club Internacional de Foot-Ball, que pelo terceiro ano consecutivo serve de palco ao maior torneio de ténis do concelho de Lisboa, Adrian Mannarino revelou-se encantado. “É um bom torneio. O clube é magnífico e o enquadramento das árvores é muito bonito. É uma pena ter acabado a minha participação assim.”

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."