João Domingues com novo máximo de carreira, Gastão Elias com pior ranking dos últimos oito anos

Fotografia: Margarida Moura/Federação Portuguesa de Ténis

Um dia depois de ter conquistado o segundo título Challenger da carreira, no Braga Open, João Domingues viu confirmadas as previsões e atingiu um novo máximo de carreira no ranking do circuito ATP.

Aos 25 anos, o tenista natural de Oliveira de Azeméis subiu 22 lugares na atualização desta segunda-feira para chegar ao 163.º lugar, melhorando o 166.º posto alcançado em novembro de 2017.

Há quatro semanas, antes de alcançar a final do Challenger de Tunes e os quartos de final do Millennium Estoril Open, João Domingues ocupava o 221.º lugar.

Em destaque pela positiva surge também Tiago Cação. O tenista do Centro de Alto Rendimento somou a primeira vitória da carreira em torneios do circuito Challenger — chegou à segunda ronda do Braga Open — e esse resultado valeu-lhe a subida de 71 posições, até ao 587.º lugar.

Frederico Silva, que esteve quase a carimbar o acesso aos quartos de final na cidade bracarense, também melhorou (passou de 334.º para 326.º), tal como João Sousa — apesar da derrota na ronda inaugural do Masters 1000 de Madrid, o vimaranense passou de 75.º para 72.º.

Mas é na variante de pares que o pupilo de Frederico Marques mais se destaca esta semana: como consequência da excelente campanha no torneio espanhol, onde chegou às meias-finais ao lado de Guido Pella, o melhor tenista português de todos os tempos atingiu um novo máximo da carreira na variante — é o número 26 do mundo.

Em sentido inverso movimentaram-se Pedro Sousa e Gastão Elias. O lisboeta, número dois nacional, não pôde ir a jogo no Braga Open devido a uma entorse no tornozelo e falhou, por isso, a defesa do título, perdendo 15 posições para se estabelecer a 120.º. Já o jogador da Lourinhã, tinha sido semifinalista em 2018 e com a derrota na primeira ronda deste ano desceu 28 lugares, até ao 335.º — o pior ranking desde que a 20 de março de 2011 deixou o 357.º posto (passou para 271.º).

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."