Tiago Cação: “Perdi a tentar e estou contente por isso”

Fotografia: Margarida Moura/Federação Portuguesa de Ténis

BRAGA — A campanha de Tiago Cação no Braga Open chegou esta quarta-feira ao fim. Depois de somar a primeira vitória da carreira em provas do circuito Challenger ATP, o jogador português ofereceu boa réplica mas perdeu o braço de ferro com um dos grandes candidatos ao título na segunda ronda do quadro de singulares.

Em declarações ao Raquetc, o jogador do Centro de Alto Rendimento começou por fazer uma análise ao encontro com Jurgen Zopp (178.º do ranking, que já foi 71.º). “Entrei bem, confiante e a procurar as coisas que tinha treinado. Ele entrou a falhar mais e depois começou a entrar mais em jogo, a meter-me mais pressão e a empurrar para a linha, com respostas compridas, enquanto até ao 4-1 era eu que estava a conseguir fazer isso.”

Tiago Cação lamentou o facto de não ter conseguido “aproveitar a liderança que tive” e reconheceu que em grande parte se deveu “à experiência que ainda me falta contra esta categoria de jogadores”. Ainda assim, o jogador de Peniche revelou-se “contente porque perdi a tentar”.

Ao Raquetc, Cação contou ainda que não vai a jogo na variante de pares, ao lado de Gastão Elias, devido às dores que o compatriota sentiu no encontro da véspera, em que foi afastado à primeira no quadro principal de singulares.

Assim, segue-se a viagem para a capital do país, onde vai disputar o quadro principal de mais um torneio Challenger — o Lisboa Belém Open. Tal como em Braga, também para esta prova teve um wild card e por isso quer “tentar aproveitar esta ocasião para continuar a trabalhar e ganhar experiência neste tipo de torneios, porque é aqui que quero estar e é aqui que estão os jogadores bons.”

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."