João Geraldo junta-se a três compatriotas no quadro principal do Mundial de Ténis de Mesa

João Geraldo foi o único mesatenista português a ultrapassar a fase de qualificação do Campeonato do Mundo de Ténis de Mesa e vai juntar-se a três compatriotas no quadro principal, que arranca esta terça-feira em Budapeste, Hungria.

Número 89 do ranking mundial, o português de 23 anos começou por ultrapassar o neozelandês Matthew Hetherington por 11-6, 11-4, 11-3 e 11-2 no primeiro encontro do Grupo 25 e depois beneficiou da falta de comparência de Medardas Stankevicius (Lituânia) para consumar o apuramento.

O mesatenista natural de Mirandela, que foi que foi um dos campeões da Europa por Portugal no torneio realizado em Lisboa em 2014 e no ano seguinte conquistou o ouro nos Jogos Europeus de Baku, vai ter como primeiro adversário no quadro principal Omar Assar, do Egito.

Marcos Freitas, o número um português, defronta o brasileiro Thiago Monteiro, enquanto Tiago Apolónia mede forças com Alberto Mino (Ecuador) e João Monteiro desafia Zhendong Fan (China).

Oliveira, Santos e Martins ficam pelo caminho

Se na competição masculina o único representante português em ação conseguiu ultrapassar o qualifying, no setor feminino o cenário foi completamente o oposto:

Leila Oliveira (103.ª do ranking) ainda venceu o primeiro desafio por 11-8, 11-3, 11-6 e 11-5 frente a Vlada Caraulnaia (Moldávia), mas foi travada por Aneta Kucerova (República Checa) na ronda de acesso: 11-8, 11-13, 11-7, 7-11, 11-8 e 11-7.

Na estreia em Campeonatos do Mundo de Singulares, Raquel Martins (485.ª) e Marta Santos (517.ª) despediram-se sem vitórias: a primeira perdeu por 13-11, 11-9, 12-14, 16-14 e 11-9 para Xin Ru Wong (Singapura) e 11-7, 11-6, 10-12, 11-7 e 11-7 para Izabela Lupuleski (Sérvia), a segunda por 8-11, 11-8, 8-11, 11-6, 11-8 e 11-7 para Reelica Hanson (Estónia) e 11-9, 14-12, 11-9 e 11-6 para Kristin Lang (Alemanha).

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."