Veni, vidi, vici. Rebelde Fognini surpreende tudo e todos e é campeão em Monte Carlo

Era uma das finais mais inéditas de que há memória num torneio da categoria Masters 1000. De um lado, o italiano Fabio Fognini, e do outro o sérvio Dusan Lajovic. Os dois, frente a frente no maior palco do Monte Carlo Country Club, o Court Ranier III. No final, o transalpino foi quem mais sorriu. Com uma vitória por 6-3 e 6-4, Fabio Fognini ergueu no Principado o maior troféu da sua carreira.

Aos 31 anos de idade, o tenista natural de Sanremo chegou ao Mónaco sem conhecer o sabor da vitória no “pó de tijolo” (quatro derrotas em outros tantos jogos nesta superfície em 2019). No entanto, os ares monegascos foram revigorantes para o italiano, que foi queimando etapas até à final deste domingo.

Frente a um Lajovic que registou em Monte Carlo a melhor prestação da carreira, Fognini entrou em falso no encontro. Ao terceiro jogo surgiu a primeira quebra de serviço e o menor cotado adiantou-se no marcador.

Neste duelo entre dois tenistas que estarão na próxima semana no Millennium Estoril Open, a resposta de “Fogna” foi imediata e o break devolvido no jogo seguinte. Na sua melhor fase durante a primeira partida, Fognini aproveitou para voltar a quebrar o “saque” do oponente e, com quatro jogos consecutivos, abriu caminho para a vitória no primeiro parcial.

Na segunda partida, foi o italiano a entrar ao ataque e a conseguir o primeiro break. Sem cruzar os braços, Lajovic foi capaz de responder na mesma moeda e de voltar a equilibrar as contas do segundo set. O break decisivo, no entanto, surgiu no quinto jogo. Fognini aproveitou a oportunidade no 30-40 e garantiu a vantagem que perdurou até ao final.

Ao fim de uma hora e 36 minutos, chegou o momento da consagração. Ao segundo match point, o número 18 mundial fechou o encontro e escreveu uma página histórica no ténis do país, ao tornar-se no primeiro italiano a conquistar um Masters 1000 desde que a categoria surgiu em 1990.

Com a conquista do seu nono título – o oitavo em terra batida -, Fabio Fognini vai surgir esta segunda-feira no 12.º lugar do ranking mundial, a sua melhor classificação de sempre. Por sua vez, Dusan Lajovic vai também atingir um novo máximo, ao instalar-se no 24.º posto.

Adepto do desporto em geral mas com especial carinho pela "bolinha saltitona". O bichinho surgiu ainda Rafael Nadal não tinha mangas e não mais saiu. Chegada a oportunidade de me juntar ao Raquetc, juntamente com a minha ambição de ser jornalista, foi fácil aceitar juntar-me à equipa.