Dois anos depois, João Domingues volta a inscrever o nome na final de um Challenger

João Domingues
Fotografia: Álvaro Isidoro/Millennium Estoril Open

Dois anos depois de ter disputado (e vencido) a primeira final da carreira em torneios Challenger, João Domingues vai voltar a discutir o título num torneio do segundo escalão do circuito masculino. Como diz o ditado, “quem espera sempre alcança”.

O regresso às finais acontece em Tunes, na Tunísia, onde o número 3 nacional e 221.º ATP venceu um duelo falado e jogado em português frente a Thomaz Bellucci (223.º) por 6-4 e 6-4.

Estas foram as quintas meias-finais da carreira a este nível para João Domingues. Para vencer, o tenista oliveirense — que no início já tinha afastado o ex-top 30 Guillermo Garcia-Lopez — salvou 14 (!) dos 17 pontos de break que enfrentou e quebrou por quatro vezes o serviço de Thomaz Bellucci, um dos jogadores mais credenciados em prova (chegou a ser 70.º do ranking em 2013 e conta com oito finais ATP no currículo, das quais venceu quatro).

Com este resultado, João Domingues iguala o número de vitórias consumadas na campanha de 2017 em Mestre (onde conquistou o seu primeiro título), uma vez que as alterações implementadas no início deste ano no circuito Challenger acrescentaram mais uma ronda aos torneios.

Agora, o tenista português fica à espera do desfecho do encontro entre Pablo Cuevas (primeiro cabeça de série e número 81 do mundo) e o italiano Lorenzo Giustino (173.º).

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."