Num dia não, João Sousa cai à primeira no Masters 1000 de Monte Carlo

Não correu bem o regresso de João Sousa (51.º ATP) ao Rolex Monte-Carlo Masters. De volta ao torneio depois de um ano de ausência, o tenista português de 30 anos não conseguiu passar por um dos cabeças de série e despediu-se na eliminatória inaugural.

O responsável pela eliminação do melhor tenista português de todos os tempos foi o russo Daniil Medvedev (14.º), que não perdeu tempo e venceu pelos parciais de 6-1 e 6-1.

Ao contrário do que aconteceu na primeira ronda do Millennium Estoril Open 2018, no primeiro encontro entre ambos, João Sousa não conseguiu estar à altura do desafio. O vimaranense viveu, aliás, um dia não com poucos momentos dados a referência e demasiados erros não forçados (foram 27 em 54 minutos de encontro) que não lhe permitiram entrar na discussão do encontro.

Afastado da variante de singulares do primeiro ATP Masters 1000 do ano a ser disputado em terra batida, João Sousa ainda tem o quadro de pares para disputar (ao lado de Diego Schwartzman). Depois, será hora de voltar a casa para disputar o ATP 500 de Barcelona, seguido da defesa do título no Millennium Estoril Open.

Este ano, recorde-se, o jogador vimaranense optou por não disputar o ATP 250 de Marraquexe, pelo que perdeu os 90 pontos relativos às meias-finais alcançadas em 2018.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."