Amanda Anisimova confirma favoritismo e sagra-se campeã em Bogotá

A norte-americana conquistou, aos 17 anos de idade, o primeiro troféu da carreira. (Fotografia: WTA)

O primeiro título da carreira é algo que nunca se esquece. Assim, a tarde deste domingo nunca vai sair da memória da jovem Amanda Anisimova, que ergueu o seu primeiro troféu na cidade colombiana de Bogotá. Aos 17 anos de idade, a norte-americana levou a melhor sobre a australiana Astra Sharma (138.ª) na final do Claro Open Colsanitas, com parciais de 4-6, 6-4 e 6-1.

A disputar a segunda final da carreira, depois de ter sido finalista vencida em Hiroshima na temporada passada, a atual número 76 do Mundo e sexta favorita ao título na Colômbia entrou em falso no encontro. Com quatro duplas faltas e apenas 56% de pontos ganhos no primeiro serviço durante o set inaugural, Anisimova acabou por ceder o primeiro parcial, que ficou marcado pelas muitas quebras de serviço de parte a parte.

Na segunda partida, a melhor cotada das duas tenistas encontrou um nível de ténis mais consistente, elevou consideravelmente as percentagens de serviço e massacrou o segundo saque da adversária – venceu 71% dos pontos na resposta ao segundo serviço durante o segundo set -, de forma a vencer o parcial por 6-4 e a obrigar à disputa de uma terceira e decisiva partida.

No tudo ou nada, Amanda Anisimova manteve a toada da partida anterior e aplicou exatamente a mesma receita para chegar ao sucesso. A norte-americana continuou a servir bem e a castigar o segundo serviço mole da oponente, que só ao quarto jogo conseguiu inscrever o seu nome no marcador da última partida. Após o 3-1, a tenista natural da Nova Jérsia venceu mais três jogos de forma consecutiva e selou a conquista do troféu ao fim de uma hora e 44 minutos em court.

A primeira conquista da carreira vai permitir a Anisimova atingir um novo máximo de carreira no que ao ranking diz respeito. Esta segunda-feira, a jovem nascida em 2001 vai escalar 29 posições e instalar-se no 54.º posto da hierarquia mundial. Astra Sharma, por sua vez, vai também atingir um novo máximo de carreira e ao mesmo tempo registar uma das maiores subidas da semana: 36 lugares, para se assumir como a nova 102.ª classificada.

Adepto do desporto em geral mas com especial carinho pela "bolinha saltitona". O bichinho surgiu ainda Rafael Nadal não tinha mangas e não mais saiu. Chegada a oportunidade de me juntar ao Raquetc, juntamente com a minha ambição de ser jornalista, foi fácil aceitar juntar-me à equipa.