ATP considera nova categoria Challenger para reduzir as diferenças para os ITFs

Enquanto a Federação Internacional de Ténis (ITF) avança e recua nas regras e formatos das provas de 15.000 e 25.000 dólares, a Associação dos Tenistas Profissionais (ATP) pondera criar uma nova categoria de torneios. O objetivo? Reduzir a diferença entre os dois escalões e aumentar os “postos” de trabalho.

Na reunião anual que aconteceu esta quarta-feira em Indian Wells, nos EUA, a direção da ATP “debateu a possibilidade de criar uma nova categoria de torneios Challenger com o objetivo de reduzir a diferença entre os torneios de 25.000 dólares que representam o nível mais elevado do World Tennis Tour (ITF) e os Challengers de 54.000 dólares que são o nível mais baixo do circuito ATP”, escreveu esta sexta-feira o The Telegraph.

A ideia passa por criar torneios que distribuam prémios monetários próximo dos 35.000 dólares, com quadros principais de 32 jogadores (e não 48, como passaram a ter todos os eventos Challenger no início da nova época) e qualifyings de 24. No entanto, os responsáveis pelo circuito masculino ainda não chegaram a nenhuma conclusão e nenhuma alteração a este nível deverá ser posta em prático no decorrer da presente época.

Estará também a ser considerada a possibilidade de “devolver” aos torneios ITF de 25.000 dólares a atribuição de pontos ATP — que desde o dia 31 de dezembro de 2018 passaram a ser distribuídos apenas nas fases finais dos 25.000 + hospitalidade (e de forma limitada).

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."