Luís Faria e a melhor vitória da carreira: “Foi com muita garra, com muito coração”

LOULÉLuís Faria apurou-se esta quinta-feira para os quartos de final de singulares de um torneio ITF pela terceira vez graças à melhor vitória da carreira e pela frente vai ter o mesmo adversário dos dois encontros anteriores: Fred Gil. Ao Raquetc, o jovem português falou da receita da vitória e do encontro que aí vem.

“Foi um jogo muito bom. Joguei a um muito bom nível, quer a defender, quer a atacar e especialmente no serviço. Servi muito bem e acho que 12 ases é a minha melhor marca. Foi uma vitória com muita garra, muito coração e muita cabecinha no sítio. Consegui fazer as coisas certas”, analisou o vimaranense de 19 anos.

O tenista do Centro de Alto Rendimento, que está em Loulé acompanhado pelo selecionador e coordenador nacional Rui Machado, reconheceu que foi importante agarrar a vitória no tie-break “porque a dada altura comecei a duvidar do meu físico. Estava bem e a conseguir oferecer boa resistência, mas com os nervos o corpo começou a pesar e senti nos músculos.”

E agora… Fred Gil. Depois de ter perdido para o compatriota nos quartos de final dos Futures de São Brás de Alportel (que acabou por ser disputado em Vale do Lobo) e Tavira, no final da última época, Luís Faria espera que à terceira seja de vez. “É para isso que trabalho e hoje vou descansar bem para conseguir regressar em forma e fazer as minhas primeiras meias-finais.”

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."