João Sousa não foge à regra e despede-se do Rio Open na 2.ª ronda

Já não existem cabeças de série em prova no Rio Open. João Sousa (40.º), o único com esse estatuto a resistir à primeira eliminatória, foi afastado esta quarta-feira deixando o torneio brasileiro sem qualquer representante dessa restrita lista para os quartos de final.

O tenista português teve pela frente o norueguês Casper Ruud (135.º) e não conseguiu confirmar o favoritismo dentro do court, acabando por ser eliminado pelos parciais de 6-3, 3-6 e 6-4 ao fim de 2h12, despedindo-se assim precocemente da prova.

Apesar de ser favorito à partida para o encontro frente ao ex-número um mundial de juniores, não se esperavam facilidades. É que Ruud já havia atingido as meias-finais neste mesmo torneio, motivo suficiente para deixar alerta qualquer adversário.

O vimaranense, que até vinha de uma excelente exibição no jogo inaugural, não conseguiu manter o nível e por essa razão acabou por perder. O primeiro set até se iniciou bem, mas acabou mal. Depois de se adiantar a 3-2 com break acima, o pupilo de Frederico Marques não mais se encontrou, perdendo os quatro jogos seguintes sem vencer qualquer ponto no seu jogo de serviço.

O segundo set começou tal como o primeiro tinha acabado, com o jovem de 20 anos a dominar. Uma quebra de serviço logo ao primeiro jogo colocaria o tenista nórdico na frente, mas não por muito tempo, com o português a conseguir ao fim de 6 jogos perdidos de forma consecutiva voltar ao marcador e recuperar da desvantagem. Desta vez foi ele a fazer o papel que o seu adversário tinha feito no primeiro set, vencendo seis dos últimos sete jogos do parcial.

Se o segundo parcial acabou bem, o terceiro não podia ter começado pior. Mais uma vez o português viu Ruud adiantar-se no marcador fruto de um break e mais uma vez foi capaz de o recuperar. No entanto, quando servia a 4-5, acabou por claudicar e deitar tudo a perder.

Terminado o seu percurso no Rio de Janeiro, João Sousa segue para São Paulo onde dará por encerrada a sua prestação nos torneios de terra batida sul-americanos.

Francisco Semedo
Licenciado em Turismo e a tirar Mestrado em Ciências da Comunicação, desde cedo se interessou pelo ténis. Começou aos 9 e desde então tem um olhar atento e constante de tudo o que se passa naquela que considera ser a melhor modalidade a todos os níveis.