João Sousa e a vitória frente a Pella: “Foi uma guerra. Um bom encontro de ténis”

Fotografia: João Pires/Fotojump

João Sousa deu início à sua prestação de singulares no Rio Open com um triunfo em três sets frente a Guido Pella. O tenista luso enfrentou um encontro bastante exigente, mas no fim foi quem foi mais forte. Por essa mesma razão o saldo foi positivo e a satisfação por isso mesmo foi uma evidência.

“Feliz por esta vitória, feliz pelo nível a que me exibi. A verdade é que as condições aqui hoje eram muito difíceis, bastante diferentes daquelas que tínhamos vindo a treinar porque tivemos uns dias de chuva, condições muito pesadas. Hoje foi completamente ao contrário, a bola estava bem mais viva, estava muito calor e humidade”, comentou o número um português em declarações enviadas à imprensa nacional.

Quanto ao encontro, o vimaranense classificou-o como uma guerra e um bom encontro de ténis, destacando o bom nível do serviço no terceiro set como crucial para alcançar a segunda vitória da temporada frente ao argentino.

“Foi uma guerra. Tanto eu como o Guido demos o nosso melhor. Foi um bom espetáculo, um bom encontro de ténis. Depois de um primeiro set muito bom, no segundo desci um bocadinho o nível, também mérito dele que conseguiu jogar bem. No terceiro penso que o capítulo do serviço ajudou-me muitíssimo a conseguir vencer este encontro”, constatou.

“Mais adaptado à terra batida”, João Sousa tem agora pela frente o jovem norueguês Casper Ruud (135.º), semi-finalista da prova na edição de 2017.

Francisco Semedo
Licenciado em Turismo e a tirar Mestrado em Ciências da Comunicação, desde cedo se interessou pelo ténis. Começou aos 9 e desde então tem um olhar atento e constante de tudo o que se passa naquela que considera ser a melhor modalidade a todos os níveis.